CRVIS3R Skateboarding #03

of 68/68
| ANO 1 | EDIÇÃO 03 | EXCLUSIVO: ROGER “O MITO” HICKEY * MAD RATS CHALLENGE EAL * IGSA * BOM DROP * SK * THE HUT * DJ ZEGON ESPECIAL: GIRLS ON FIRE! PERFIL: ISA RIBEIRO REINE OLIVEIRA GAROTAS DO SLIDE: CONEXÃO AMÉRICA LATINA LONGBOARD GIRLS CREW: DA ESPANHA PARA O MUNDO!
  • date post

    24-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    241
  • download

    6

Embed Size (px)

description

CRVIS3R Skateboarding #03

Transcript of CRVIS3R Skateboarding #03

  • | ano 1 | edio 03 |

    Exclusivo: RogER o mito HickEy * mad Rats cHallEngEEal * igsa * Bom dRop * sk * tHE Hut * dj ZEgon

    EspEcial:

    giRls on fiRE!pERfil:

    isa RiBEiRo

    REinE olivEiRa

    gaRotas do slidE:conExo amRica latina

    longBoaRd giRls cREw:da EspanHa paRa o mundo!

  • Capa: A misso dos fotgrafos em conseguir uma foto para ilustrar a capa da revista sempre rdua, pois como dizemos no meio editorial, a capa a vitrine da publicao. Com isso, a busca de uma melhor composio da imagem exige a parceria entre a dupla fotgrafo e skatista. Aqui, o trabalho em dupla funcionou: Isabela Isa Ribeiro, no moment de um fs bert slide,

    na ladeira do Parque dos Prncipes/SP. Foto: Rafael Fazano

    Sees:

    10. EditorialElas vieram pra ficar... algum tem dvida nisso?

    12. StartA foto de abertura

    16. PerfilReine Oliveira: nas ladeiras que me sinto bem!

    22. Lado ANovidades, lanamentos, curiosidades...

    60. Business PlanOs melhores produtos do mercado

    62. HeadphoneA msica atravs das pick-ups do DJ Zegon

    64. Cuide-se!Larrisa Sampaio prova que nunca tardepra comear

    66. Onde EncontrarNovas lojas a cada edio. Valorize sua skate/boarshop e adquira sua CRVIS3R!

    42. Longboard Girls Crew (LGC)As garotas da maior comunidade feminina do longboard mundial estiveram no Brasil para uma srie de filmagens, que se tornou um timo filme gravado na Cidade Maravilhosa. Entrevistamos com exclusividade a mentora da LGC, Valeria Kechichian, pra falar a respeito desse amor ao longboard.

    46. Mad Rats Downhill ChallengePra fechar com chave de ouro o ttulo mundial conquistado pelo Douglas Dalua, o prprio organizou um evento regado a muita velocidade e diverso na sua terra natal. A revista foi convidada especialmente para cobrir esse importante evento com a ida do Guto Jimenez, que ainda fez uma palhinha na locuo na entrega dos prmios.

    50. Garotas Do SlideA profissional e guerreira do longboard, Laura Alli, fez um pequeno apanhado das garotas que so destaque em diversas regies do pais e tambm de outros pases.

    54. Entrevista - Roger Hickeycone mximo no speed mundial, com centenas de vitrias nas ladeiras do mundo todo, Roger Hickey foi o inventor da posio aerodinmica utilizada at hoje para se conseguir maior velocidade na ladeira, apelidada de Hickey Tuck, e tambm inventou o street luge (descer deitado num skate especial). Bem, leia e entenda por que o cara O mito do skate de velocidade no mundo.

    crvis3r skateboarding

    | ndice

  • No tem foto que seja feita com uma alucinante com-posio como essa, que no faa passar pela cabea

    aquela vontade de largar tudo e descer a milho uma ladeira com esse visual, com o asfalto rasgando a

    vegetao a perder de vista. A skatista Mari Duvekot largou tudo e aproveitou o dia irado em Alphavile,

    pra curtir e mandar um fs full slide, ouvindo s o barulho da roda no asfalto. Foto: Adriano Aziz

    crvis3r skateboarding

  • De tempos em tempos, o skate passa por momentos de exploso e formas diferenciadas de participao na sociedade urbana, e de uma maneira ou de outra influencia diretamente no comportamen-to jovem. No tem como andar de skate e passar despercebido por todo o lifestyle que esse esporte-estilo-de-vida-ditador-de-tendncias-que-amamos deixa marcado na pele e na alma.

    Passamos novamente por esse momento explosivo, especificamente no longboard e nos skates de ladeira. E no meio desse cenrio, que est sendo incorporado cada vez mais s cidades e centros urbanos, surge a presena surpreendente, macia e nunca vista antes: a participao da mulher no skate!

    Posso dizer com convico que nesses meus 30 e poucos (no mui-tos..rsrs) anos de skate, nunca se viu tantas garotas andando de ska-te de forma prazerosa e com nfase muito forte de diverso. Somado a esse aspecto, temos o lado profissional e competitivo o qual diversas ga-rotas vm batalhando h muito tempo para a evoluo das modadalides. Por outro lado, no um caso isolado e nem tampouco uma novidade a participao da mulher no skate. Se voltarmos no tempo, o skate come-ou nas ruas e ladeiras e elas j estavam l, praticando e dando o ar da graa, contribuindo no aspecto feminino e embelezando com a sua par-ticipao. E isso foi visto em diversas dcadas e em diversos momentos at os dias de hoje.

    Com tudo isso acontecendo, recebi um e-mail da longrider e autora da colu-na Bom Drop, Christie Aleixo, que caiu como uma luva. Dizia curto e grosso: a revista ser lanada no mes comemorativo da mulher, em maro, e a?. Pron-to! Foi o suficiente para direcionar a edio para algo que j estava martelando h algum. Mesmo com alguma pautas que j estavam em andamento, como a entrevista indita e exclusiva do mito da velocidade do skate, Roger Hickey, o maior campeo do downhill speed que influenciou diretamente o atual estgio da modalidade, ou com a cobertura do Mad Rats Downhiill Challenge, corremos atrs do desafio de colocar a edio na linha de frente das garotas do skate.

    Essa edio conta com uma das mais influentes e experientes skatis-tas de todos os tempos, a Reine Oliveira, que no mede esfoos quando o assunto ladeira e sua participao em competies internacionais. En-trevistamos Valria Kechichian durante sua passagem pelo Brasil, respon-svel pela criao do famoso Longboard Girl Crew. Batalhadora pelo cres-cimento do longboard feminino, Laura Alli trouxe para ns um apanhado dos novos valores do skate feminino no Brasil e na Amrica Latina. E no para por a, pois direcionamos nossos colunistas tambm para falar desse cenrio rico e particular do universo das garotas no carrinho.

    Essa nossa modesta e singela homenagem participao marcante e atual da mulher no skate brasileiro e mundial. Divirtam-se, acompanhem, participem, informem-se... sem moderao! Skate sempre!

    Girls on fire!

    Tpico final de tarde na orla da praia do Arpoador, ideal pra andar de skate na cidade maravilhosa do Rio de Janeiro. Aproveitando a boa luz, Ana Luisa Mansour num estilo clssico com seu skate cruiser. Foto: Gabriel Klein

    crvis3r skateboarDing

    | editorial

  • As garotas do Longboard Girls Crew da Espanha, vieram especialmente para o Brasil para uma srie de captaes

    de imagens que deu origem a um filme que foi lanado no ms de fevereiro. O espirto de diverso, amizade e

    acima de tudo, o amor que as garotas tem pelo skate, est evidente nas filmagens e nessa foto realizada na chegada Marambaia, uma praia militar de acesso

    restrito cidade maravilhosa do Rio de Janeiro.

    Veja mais sobre a LGC, nessa edio.Foto: Raphael Lucena

    | start

    crvis3r skateboarding

  • crvis3r skateboarding

  • Pra comear, ela nascida na Zona norte de So Paulo, bero do downhill paulistano e regada de vrios talen-tos de onde surgiram nomes muito conhecidos no mundo como Juliano Casse-miro, Sergio Yuppie, Jose Carlos Birinha e Ricardo Senna Mikima, alm dos lendrios Willians Indio e Marcos Ubaldo Marqui-nhos (R.I.P). Com essa escola de grandes nomes, ela tornou-se um dos maiores no-mes do skate feminino de ladeira, andando em todas as vertentes e trazendo ttulos im-portantes para a histria do skate feminino.

    Reine sempre acompanhou o downhill: no ano de 2000, esteve presente no Speed Monster em Alphaville (So Paulo), a pri-meira seletiva pra eventos internacionais de speed realizada em nosso pas. Nos anos seguinte, marcou presena no Rio Downhill, um supercampeonato que rolou no Corco-vado (Rio de Janeiro). Em 2003, marcou presena no champ do Funil em Belo Ho-

    rizonte (MG) onde comeou a realizar os seus primeiros drops.

    Sempre respeitando as ladeiras e os seus limites, com muita segurana e focada em se tornar uma skatista overall, deu uma pausa em 2004 para a chegada do seu filho Lucca Cassemiro, fruto do seu casamen-to com o skatista overall Juliano Cassemi-ro. Nos dias de hoje, eles so os seus maio-res parceiros de sesso, e essa verdadeira Familia Skate deixa admiradores e muitos amigos por onde passa. Como se no bas-tasse, o Lucca prova aos 8 anos aquele di-tado que fala sobre filhos de peixe: o garo-to j ganhou campeonatos importantes na categoria mirim e at j comeou a parti-cipar de eventos internacionais de slide, se-guindo os passos vitoriosos de seus pais.

    Em 2005, Reine retornou participando dos eventos de longboard downhill; correu o Circuito Skate na Ladeira na tradicio-nal Barriga da Velha e comeou a correr to-

    Reine Oliveira

    PoR Juliano Cassemiro e ela mesma

    Definitivamente, os papis de esposa e

    me tomam um aspecto completamente diferente do tradicional quando se fala na Reine Oliveira.

    Paul

    o Ro

    gRi

    o

    crvis3r skateboarding

    | perfil

  • Colo

    Raa

    Doto

    Ri

    Botando pra baixo numa das etapas do Circuito Sulamericano da IGSA.

    crvis3r skateboarding

  • dos os eventos no Brasil. bom frisar que ela sempre se destacava com o seu estilo nico e sem nunca perder a sua feminilidade, mesmo com o seu macaco de manu-teno e suas meias listradas que usava para organizar uma das etapas do Circuito Brasileiro... Ela j pensava um dia na profissionalizao das meninas do downhill como meta para valorizar a modalidade, colocando as pioneiras Christie Aleixo e Laura Alli no quadro de juizes e dividindo as categorias feminino 1 e feminino 2. Ah, sim: alm de tudo isso, ela ainda arrumava tempo e disposio pra cor-rer vrios eventos de slalom antes de migrar pro speed.

    Falando em competies, Reine sempre focada nas dis-putas: foi campe brasileira em 2007, 2008 e 2009, e vice em 2009, 2010 e 2011 de longboard feminino. Com seu estilo slideiro e bem agressivo de ser, logo em seguida partiu para os eventos internacionais, sagrando-se campe mundial em 2008 no Danger Bay (Canad) e campe mundial de slide em 2009 no Slide Fest da Cali-frnia (USA). Com esses feitos, ela teve o seu profile publi-cado em algumas revistas conceituadas como Tribo Skate e Concrete Wave, entre outras.

    Com muita f, coragem, garra e muita positividade, Rei-ne acaba de conquistar o seu bicampeonato Sulamerica-no de Speed Downhill pela IGSA, terminando em 6 no ranking Mundial. 2012 foi um ano muito especial j que as competies foram muito difceis, o circuito feminino pegou fogo na Amrica do Sul com etapas na Argentina, Colmbia, Peru e no Brasil. Estiveram presentes nomes de peso como Marisa Nunes, Jane Padino, Cami Pucheta e Giorgina, alm das brasileiras Christie Aleixo e Georgia Bontorin. Ganhou a etapa Copa de los Reyes em Chorrilos (Peru) obteve o segundo lugar no Festival de la Bajada de Bogot (Colombia) em uma competio muito tcnica com muita chuva, alm de conquistar o ttulo de campe na categoria slide. Reine fechou o ano passado com chave de ouro: seu novo feito foi dropar Teutnia, a ladeira mais rpida do mundo onde skatistas podem chegar at mais de 110 km por hora. Muitos homens chegaram e no des-ceram mas ali estava ela, quebrando barreiras e superan-do seus limites.

    > reine oliveiraPatrocinios: Mission Skate Shop, Boardrider, Sector 9, Academia Salut, Bomdrop, Primitivo, Casarin Production, Curva de Hill e Bolsa-Atleta.

    Fora a ao em ladeiras, participa do programa Curvas e Ladeiras que estreou no canal Off, onde voc poder conhecer um pouco dessa skatista de alma, me e mulher guerreira, que vive na busca de seus sonhos sempre em cima do carrinho entre o as-falto e a floresta. Mesmo com todos esses corres, Rei-ne atualmente trabalha na Mission Skate Shop (SP) e esse ano promover clinicas de slide. Pra ficar ligado em seus drops, trips e nos campeonatos que ir parti-cipar, s acompanhar a sua fan page no Facebook .

    Paul

    o Ro

    gRi

    o

    Cesa

    R le

    ite

    Acima: Reine e seu quiver - skate pra toda obra!.Ao lado: Layback no gs fritando a mtica Ladeira da Morte.

    crvis3r skateboarding

    | perfil

  • _ igsa

    * Alexandre Maia, 40 anos, 26 de skate - Diretor Sul Americano da IGSA Patrocnios: Downhill Machine, Academia Power Club. Apoio: Evoke, CS Team

    Caro

    lina

    Dot

    tori

    Apoio cultural:

    A presena das mulheres no mundo do longboard e do dow-nhill vem aumentando a cada dia. Contamos com equipa-mentos direcionados para o pblico feminino e at um ca-nal de TV est transmitindo um programa sobre as garotas no longboard, contando com a presena da bicampe sul-america-na Reine Oliveira.

    Nas competies e principalmente no Circuito Mundial da IGSA, esta presena marcante e esta mudando o cenrio do esporte, mas se engana quem pensa que ver uma mulher dropar uma ladeira novidade, principalmente nas competies.

    Nos anos 80 contvamos com a categoria feminina nos campe-onatos de Downhill Slide e tnhamos a incomparvel Miriam Bello-ni como a maior campe da categoria. No final dos anos 90 e inicio dos anos 2000 tivemos uma nova alta do longboard e naturalmente novas garotas surgiram no cenrio competitivo.

    Nos campeonatos da IGSA nomes como o da sua Bettina Lu-ginbuhl e da francesa Angelina Nobre eram presenas marcantes e se algum homem vacilasse podia perder uma bateria para qualquer uma das duas.

    Em 2005 realizamos o primeiro Circuito Mundial da IGSA com a categoria feminina. Tivemos a participao de 11 garotas tendo Bettina como campe. No Brasil ainda era raro ver uma mulher no speed e a grande Christie Aleixo quebrou essa barreira, deixando um pouco de lado os roles de slide e entrando em um macaco para fazer histria no nosso pas e servir de referncia para muitas ou-tras garotas que estariam por vir.

    Em 2012, contamos com um numero histrico de participantes femininas no Circuito Mundial, nada mais nada menos do que 95 ga-rotas participaram das 24 etapas vlidas para o ranking. No Circui-to Sul-Americano, a presena feminina tambm foi marcante, passa-mos de 18 meninas no Circuito de 2011 para 32 meninas em 2012. As meninas invadiram as pistas, as caladas, as ladeiras e tambm as competies. Garotas do Brasil, Colmbia, Peru, Venezuela e Chile mostraram que vieram para ficar e uma questo de tempo para que garotas de outros pases tambm entrarem no circuito.

    O Brasil sem sombra de dvidas destaque na histria competi-tiva do downhill sul-americano, e skatistas como Reine de Oliveira e Christie Aleixo esto sempre entre as trs primeiras do ranking, mas devo destacar uma garota de Curitiba que com apenas 16 anos vem deixando todos de boca aberta com a sua atitude nas competies. Gergia Bontorin compete como gente grande e j ganhou duas etapas do Circuito Mundial, uma na Argentina duran-te o SnakeSkeleton em San Luis e outra em Teutnia, durante a pri-meira competio feminina da histria da ladeira mais rpida do mundo. uma questo de tempo e de investimento para que tenha-mos uma campe mundial e, com isso, possamos quebrar a hege-monia das europeias e das canadenses a exemplo do que aconte-ceu na categoria masculina.

    Tenho certeza que a presena feminina nas competies da IGSA s vai aumentar e no ficaremos mais surpresos ao vermos uma ga-rota liderando uma bateria entre os homens. Vida longa as garotas no Longboard!

    Carl

    os G

    omez

    Georgia Bontorin em Teutonia 2012.

    POR AlexAndre MAiA*

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • euamolongboard.com feito por Alexandre Guerra, Klaus Duus, Vincius Binotte e Andr Nunes, que so longboarders e atualizam o site todos os dias para melhor servir a comunidade longboard.

    Apoio:

    _ euamolongboard

    no de hoje que o skate e as mulheres andam juntos. Em 1965, Patti McGee foi a primeira mulher campe de skate profissional nos Estados Unidos. Obviamente, no era a nica a andar naquela poca, j que competia ferozmente com Don-na Cash, Laurie Turner e outras que se tornaram espelhos para muitas garotas que ainda tinham dvidas se o skate tinha ou no restries.

    As dcadas de 70 e 80 foram marcadas pela continuidade das competies, mas com a diferena que os prmios das categorias femininas foram consideravelmente diminudos em relao aos das categorias masculinas. A TV comeou a demonstrar mais interesse pela agressividade das manobras que surgiam nos bowls e piscinas, direcionando cada vez mais as competies para os homens.

    Em 1996 foi criada a ALL GIRL SKATE JAM (liga de skate exclu-sivamente feminina e que foi o estopim de vrias outras ligas com a mesma configurao), clnicas de skate unissex foram criadas, at que em 2003 as mulheres foram finalmente includas nas competi-es do X-Games.

    Hoje impossvel no ver a horda de meninas e mulheres rolando por nossas ruas, calades e ladeiras, o que ainda causa estranhe-za aos desavisados que no acompanharam a evoluo do skate.

    Ns aqui amamos quem usa o skate. Daremos apoio incondicio-nal a quem segue essa paixo e as meninas esto de parabns. Em Vitria (nossa terra amada), a Praia de Camburi um dos picos pre-feridos dos longboarders que gostam de dar um rol em um piso perfeito com um visual inspirador. Quando as primeiras meninas co-mearam a aparecer com um skate, andavam sozinhas ou com, no mximo, uma amiga. Hoje, vemos que as turmas esto mistas, in-dicando que elas foram capazes de furar o bloqueio, se que real-mente houve um.

    Grande parte das meninas comeou no skate ontem, so ini-ciantes. Triste ver alguns veteranos e veteranas assumindo uma postura retrgrada contra estas novas praticantes. Vamos com cal-ma, pessoal! Ningum obrigado a saber manobras, conhecer seus nomes ou estar inserido na comunidade do skate com profundida-de. Alguns apenas querem sentir a sensao de estar felizes com seu carrinho e esto ali pelo lado ldico do brinquedo, pela diverso e tambm pela moda. O skate parece estar se transformando em um instrumento de incluso social cada vez mais agregador.

    Nossas rodinhas esto se tornando o que muitos nem sonharam no passado: um meio de locomoo, usado para ir praia, para ir padaria ou para casa de um amigo, enfim, para se deslocar. E con-venhamos, que outra forma de locomoo to divertida vocs co-nhecem? Desmistificando o olhar ctico de muitos, podemos dizer que da mesma forma que uma pessoa pega uma bike para ir para a livraria e no um ciclista, esta mesma pode pegar seu skate e no ser uma skatista.

    nada de novo no front...

    Um dos papis mais importantes das meninas, na nossa opinio, acabar com o esteretipo assumido pelo prprio skater - o lado negro, arruaceiro e do causador de problemas est ficando para trs. Os benefcios so muitos e um deles a reconstruo de uma cena ecltica cercada por mais harmonia e respeito pelas diferenas.

    Achamos incrveis os cabelos ao vento! Nem venha querer com-parar o requebro dos homens com o jogo de cintura delas... Sobre o estilo, s vezes as achamos meio tmidas como se estivessem com vergonha, mas quando se soltam so pura plstica. Se algum nos lendo ainda no viu os vdeos das garotas do Longboard Girls Crew, de fato no sabem do que as meninas so capazes de fazer aliando manobras com estilo e graa. Em termos de visualizaes os posts relacionados ao skate feminino tambm so os mais acessados no euamolongboard.com.

    Elas esto aqui para ficar, acostumem-se!

    Essa coluna foi escrita ao som de Zmaria (Instant Lover), The Cars (Just What I Needed), Hellacopters (Blinded by the Light), Suicidal Ten-dencies (Possessed to Skate).

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • _ bomdrop!

    * Christie Aleixo, skatista profissional, 35 anos, 15 de skate Patrocnios: Mad Rats, Legends Skateboards, Bomdrop!, New Skate Apoio: DEUSAcesse: www.bomdrop.blogspot.com

    POR Christie Aleixo*

    eita, quanta emoo! A nova edioda Crvis3r saindo no ms das mulheres. Nunca vi o mercado de skate, e as mdias especiali-zadas ou no, to interessados quando o assunto mulher e skate. Tratando-se desse pblico, digo com propriedade, esta-mos nos referindo a pessoas exigentes, dedicadas e hipercompetitivas.

    Se para uns a fase moda, minha opinio que a moda pega! Ou seja, estamos na melhor das oportunidades para espalhar o lifesty-le, fazer com que o skate entranhe nas veias dessas girls. Como cos-tumo dizer, skate liberta. Se essa leva de meninas/mulheres, que esto sendo contaminadas pela tbua com 4 rodas, seja pela inspi-rao de dar impulso na orla, de t-lo para carregar nos braos, ou curtir a sensao de ser puxada pelo cachorrinho; ou para acompa-nhar o namorado, filho, ou simplesmente passear no parque; ou at se dedicar ao mximo das tcnicas das possveis modalidades em competies, concluo que para mim a forma e o motivo pouco im-portam, tudo isto j me faz feliz.

    Dai voc me pergunta: feliz? E eu, respondo: claro! Feliz por que somos seres humanos livres em primeiro lugar, segundo por que o skate nos permite vivenci-lo de maneiras diferentes, e terceiro, se no pensarmos amplamente o que seremos? Eu que me dediquei ao mundo das competies por anos te digo, nos taxaremos como, me-ramente vencedoras ou perdedoras, muito pouco! Mesmo tendo a pssima mania de transformar em trabalho tudo que parta do ska-te, at algumas amizades, te garanto; a renovao a necessidade mxima de movimentao da vida.

    Renovar estilos, pessoas, equipamentos, lugares, projetos, ideias... o reaquecimento do mercado possibilita ampliar, atualizar, reestruturar. Afinal, skate mais que a prtica, envolve arte, cultura,

    tem muito negcio envolvido, desenvolvimentos, profissionais de vrios ramos, no s a skatista profissional de competio. Skate est na essncia, est na rotina do dia a dia, sozinho ou em grupo. Skate algo que no se taxa, mas sinceramente se percebe na sim-plicidade e principalmente nas dificuldades.

    Voc j se perguntou, por onde anda aquela menina que foi desta-que em tal poca que voc andava de skate? Alguns vo dizer: fula-na se perdeu nas drogas, a outra abandonou, a ciclana virou me... entre outras coisas. Pois eu vou dar meus exemplos: se formou em odonto e est frente de uma ONG feminina de skate; a outra de-signer, trabalha no mercado h anos e tem uma marca ativa prpria. Tem tambm a que se formou em educao fsica e d aulas de ska-te em clubes privados. Tem ainda a que estudou jornalismo e escre-ve para algumas mdias sobre skate e a que virou me. Na real, v-rias viraram mes e alm de ativas no skate, so grandes profissio-nais em outros ramos. Tem a fotgrafa, a vdeomaker, a estilista, a artista, a tatuadora... e todas na cena ativas no mnimo h 10 anos.

    O skateboarding feminino brasileiro amadureceu, e ver tantas mulheres que tiveram sua histria com ele na prtica super envol-vidas com o mercado e ainda ativas nele, reflexo de maturida-de, de independncia, de crescimento, ou seja, uma GRANDE CON-QUISTA. Parabns a todas as mulheres que um dia, incentivadas por seja l qual inspirao, se permitiram viver o skateboarding! E por estas e por outras, no d mais para responder perguntas do tipo: Voc ainda sofre preconceito? Afff...Vamos andar de skate! Mulherada, continuem metendo brasa, o estilo livre, sempre em busca do que liberta, o que importa a ATITUDE, o RESPEITO. No mais, BOMDROP!

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • _ sk - skate kingdom

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • O bom filho casa volta!

    Depois de se desligar da marca aps anos de servios prestados, o multi-cam-peo de ladeira srgio Yuppie est de vol-ta a marca de skate shoes, Qix. Ele e seu parceiro, tambm amante de ladeiras e ska-tista overall Marcos et, foram recrutados para o ano de comemorao de 20 anos da marca. Boa sorte a todos! E aproveitando que o papo sobre Srgio Yuppie, ele tam-bm acaba de lanar o novo site da marca de sua proprietada, a Curva de hill. Veja mais em: www.curvadehill.com

    A s-one helmet apresenta sua equipe de longboarders

    A marca de produtos de proteo, s-one, anunciou em janeiro os novos integrantes da equipe de Longboarders. Entre eles, esto Peter eubank, nic escamilla e Ari Chamasmany. Eles tem usado os capacetes Lifer da S-One durante os ultimos anos e, com isso, a marca resolveu coloc-los na equipe.

    Christie Aleixo na Seismic Wheels e tektron rolamentos

    A skatista carioca enraizada em So Pau-lo Christie Aleixo a mais nova profissio-nal brasileira a vestir a camisa da seismic Wheels e tekton rolamentos. A Seismic tem distribuio exclusiva no pas pela le-gends sk8 e a marca recordista de veloci-dade no skate, com o canadense Mischo Er-ban e no streetluge, com o brasileiro Walter Baresi, outro rider da equipe. Christie nos conta que est muito feliz em fazer parte do time mundial de uma marca to conceitua-da e no v a hora de popularizar a marca no mercado brasileiro. Para conhecer mais a Seismic, acessem: www.legendssk8.com .

    Uncommon boards... Brasileiro no comando

    Estamos acostumados a ver marcas gringas virem para o Brasil e, algumas poucas vezes, marcas brasileiras sendo co-mercializados no mercado externo. Agora imagine um brasi-leiro produzindo e iniciando os negcios na Amrica... Pois , essa a marca de shapes de longboard, Uncommon Board, do brasileiro Marcelo Perroco. A marca est com a sede no

    estado americano de Massachussets, mais precisamente na cidade de Ashland. Com ti-mo acabamento e j com produto disponvel da linha artesanal (feitos mo), os primeiros lanamento em srie industrial esto pra a primavera americana de 2013. Fiquem liga-dos! www.uncommonboards.com

    nova marca na rea de longboarders para longboarders

    Priority Long a nova marca que chega ao mercado sob o comando dos skatistas e longriders diego Polito e Adriano Aziz. Direcionando a marca inicialmente para confeces e camisetas com estampas ori-ginais e criativas, atitude a palavra de or-dem da Priority. A marca j conta com uma equipe de longboard de respeito, com os prprios Diego e Adriano, mais Thiago Ba-rata, Vitor Gardellim, Marianne duvekot, Michel Frederico, entre outros. Boa sorte e longa vida marca!

    distribuidora legends de casa nova!

    Buscando uma melhor maneira de aten-dimento e facilidade de acesso, a distribui-dora legends, que distribui no Brasil as marcas Koston, seismic, tracker tru-cks, sims, G&s, entre outras, est agora localizada no bairro do Bom Retiro, centro comercial de So Paulo. A mudana da an-tiga sede no Morumbi pra uma regio cen-tral deve-se, alm de visar um espao maior, proporcionar um maior conforto aos clientes, acostumados a se locomover pela localidade. Boa sorte na nova casa... e bons negcios!

    Phil

    l th

    orn

    arqu

    ivo

    s-on

    e

    arqu

    ivo

    Chri

    stie

    ale

    ixo

    arqu

    ivo

    Prio

    rity

    lon

    Gar

    quiv

    o le

    GenD

    s

    Diego Polito.Srgio Yuppie.

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • signal hill speed run 1975 - 1978 - documentrio

    Uma das maiores qualidades do skate americano a valorizao da histria e o resgate da cultura do skate, to importanteS para o amadurecimento e desenvolvi-mento do esporte/estilo de vida/comportamento. Assim, foi lanado no comeo do ano um filme/documentrio chamado signal hill speed run 1975 - 1978. A famosa ladeira chamada Signal Hill, em Long Beach na Califrnia, foi bero do incio das praticas e competies de speed (velocidade), que veio a se tornar uma compe-tio anual a partir de 1975. Ficou to importante e tomou propores to grandio-sas que os eventos eram documentados pelo programa The Guiness Book of World Records, e tambm pela revistas de skate da poca (Skateboarder), assim como pela Sports Illustrated, Sunset Magazine e diversas outras. Skatistas como com ro-berto Chuy Madrigal, Henry Hester, Dale Sausage Man Smith, Guy Grundy spagnoli, herb spitzer, Jim OMahoney, Tom Ryan, Cliff Coleman, Jamie hart, Bob skoldberg e John Hughes, foram os responsveis pelo desenvolvimento de diversas maneiras de conseguir melhor performance e equipamentos de proteo. Pra saber mais onde tudo comeou, acesse: www.facebook.com/pages/The-Signal--Hill-Speed-Run-1975-1978. Novamente, obrigado ao fotgrafo Jim Goodrich que sempre nos cede seu impressionante arquivo.

    sK8-1 inaugura loja fsica

    A loja sK8-1, que antes estava apenas dis-ponvel e atuando as vendas on-line, estreou seus negcios tambm alm das fronteiras vir-tuais. Agora a loja est de portas abertas, con-tanto com a melhores marcas do mercado na-cional e internacional. O coquetel de inaugura-o no dia 21 de fevereiro contou com a pre-sena de vrios skatistas de ladeira entre lon-griders, downhill e speed. A loja fica na rua Dr. Jesuno Maciel, 605 - So Paulo - Campo Belo.

    ranking sulamericano 2012Final Downhill Speed (etapas na Colombia, Argentina, Per e Brasil) Downhill Skateboard: 1 Dillon Stephens; 2 Felipe Malaga; 3 Max Gradlmiller; 4 Die-go Alemparte; 5 Lucas Dragone; 6 Juliano Cassemiro; 7 Douglas DaluaWomens Downhill Skateboard: 1 Reine Oliveira; 2 Chistie Aleixo; 3 Georgia BontorinJunior 2 Downhill Skateboard (Age 14-17): 1 Gustavo ParedesJunior 1 Downhill Skateboard (Age 8-13): 1 Rodrigo Fontana

    Jim

    Goo

    DriC

    h

    Foto

    s ro

    bert

    o ta

    tto

  • MovimentaoA longrider Georgia Bontorin, aps uma ano de conquistas e provando que com seus

    16 anos est botando pra baixo na ladeira de maneira agressiva, agora anda para a marca Sector 9 Outras contrataes realizada no Brasil pela marca holandesa Concrete Surfer, o carioca Bruno Bou Haya e Fabian Fernandez. Entrando 2013 como profissional, Il-ton Jr. Tat faz parte da equipe de longriders da Mission Store. Boa sorte a todos!

    Vencedores do Prmio Topblog: EuAmoLongboard

    Estamos muito orgulhosos e gostara-mos de parabenizar o pessoal do Blog Eu-AmoLongboard, que entre diversos parti-cipantes, terminaram em segundo lugar no evento Premio Topblog 2012, na ca-tegoria esportes. Pra quem acompanha a revista CRVIS3R Skateboarding, sabe que o pessoal do EAL so colunistas na revista e esto desde a edio 1 trazendo a viso particular deles sobre o longboard. Para-bns aos capixabas Alexandre Guerra e ao Klaus Duss, mentores e cabeas-pensantes do desenvolvimento do contedo eletroni-co. Visite a pgina da coluna do EAL aqui ou na internet: www.euamolongboard.com

    Novos profissionais em 2013 pela CBSKOs Comits dos profissionais da CBSk finalizaram os trabalhos de anlise dos pedidos de

    amadores 1 interessados em se profissionalizar a partir de 2013. So eles: Downhill Sli-de: Ilton Tat (So Paulo/SP); Kau Mesaque (So Paulo/SP); Thiago Bomba (So Paulo/SP). Downhill Speed: Guto Nego (Maring/PR); Georgia Botorin (Curitiba/PR); Leandro Chapu (Osasco/SP); Rodrigo Steinbach (Porto Alegre/RS); Srgio Leonardo (So Paulo/SP); Vincius Santana ESO (Osasco/SP).

    tati

    ane

    fagu

    ndes

    Lean

    dro

    aLm

    eida

    Georgia Bontorin. Bruno Bou Haya. Ilton Jr. Tat.Vi

    tor

    Vid

    abos

    sa.c

    om

    | lado a

  • Agenda Trade Show 2013FOTOS Antonio dos PAssos thronn

    A Agenda Trade Show tornou-se h algum tempo uma das feiras mais importantes do segmento dos esportes radicais (le-se skate, surf, snow) realizada nos Estados Uni-dos. Aproximadamente 450 marcas que se instalaram no Long Beach Convention Cen-ter no comeo de janeiro, mostraram as novidades de seus produtos no skateboard, surf, snowboard, arte, msica e lifestyle. Mais de 10.000 pessoas circulam nesses dois dias nessa feira que foi criada de maneira desprentenciosa em 2005, com inteno de dar oportunidade s pequenas marcas. Com o encerramento das atividades da ASR Trade Show, que tinha uma tradicional e importante influncia nos lanamentos das novidades, a Agenda ficou em uma posio de destaque no mercado dos boardsports. Longboards, freeriders, cruisers, speed e mais diversas novidades dessas modalidades do skate, es-tavam sendo apresentadas atravs de suas marcas. Como no poderia deixar de aconte-cer, a noite teve uma extenso para uma festa/show, com o rapper The Game e sua crew... Party times! A prxima agora, ser em julho, novamente em Long Beach... Stay tuned!

    la Muerte for GirlsFOTOS roBerto tAtto

    Rolou no dia 24 de fevereiro o La Muerte for Girls, um evento realizado para a confraterniza-o das garotas do downhill slide e longboard nas categorias amadora. Com organizao e iniciati-va do possudo Luciano PT, as juizas foram as profissionais Christie Aleixo, Reine Oliveira e Lau-ra Alli. Parabns pela iniciativa e para todas parti-cipantes... que venham mais eventos como esse!

    Resultados:Longboard: 1) Ariane Rosas, 2) Thiz Bertoni, 3) Cris punk, 4) Fernanda Michelini, 5) Kethy Soares, 6) Marianne Duvekot, 7) Thayna, 8) Gabriela, 9) Dafne, 10) PaulaDHS Feminino: 1) Daniela Ribeiro, 2) Jssica Amorim, 3) Camila DAlessanda, 4) Fernanda, 5) Giovanna, 6) RaquelPatrocnio: Koston e La MuerteApoio: Dylan Skate Bags , Six Trucks, Ska-te Mundo, Classic Skate, Power Balance Brasil, 4i20, Vila Skate, Sk8-1, Base, Dlar Gang, Craz-zynboard, Red bull, Street Ligth, Centro de Cultu-ra do Itaim Paulista , Essncia Skate

    Juzas de responsa: Reine Oliveira, Laura Alli e Christie Aleixo.

    DH Slide Feminino.

    Longboard feminino.

    Girls on fire!

    Chris Chaput e a equipe da ABEC 11.

    | lado a

  • Ultramaratona de skatePOR JonAthAn strAUss |FOTO JiM Winters | TRADUO GUto JiMenez

    O tradicional autdromo de Homestead-Miami Speedway local de provas da Frmula Indy e Nascar foi palco do evento mais ins-tigante de esportes de ao no dia 7 de janeiro ltimo. A homes-tead-Miami Speedway 24 Hour Ultra Skate reuniu skatistas ou-sados pra estabelecerem marcas pessoais e o evento foi organiza-do pra quebrar o recorde mundial de distncia percorrida sobre um skate em 24 horas. O bombeiro do Condado de Miami-Dade, Andrew Andras estabeleceu o novo recorde mundial masculino com impres-sionantes 421,2 kms (ou 261.8 milhas), enquanto que Coleen Pe-lech de New Jersey quebrou o recorde feminino com 268,7 kms (ou 167 milhas). As marcas foram conquistadas no circuito interno de 3.540 metros. O esforo de Andrew foi uma das performances mais inspiradoras da histria dos esportes, com seus tempos de volta me-lhorando gradativamente durante o perodo de 24 horas. Hoje foi um momento histrico pra histria do skate de longa distncia, ou push racing como alguns fissurados chamam a arte de dar impulso aos seus skates alm dos limites normais dos seres humanos, dis-se Joner strauss, organizador do evento e fundador da IDSA (In-ternational Distance Skateboard Association). E a, vai encarar?!

    Push Race Recife IIIPOR BrUno GAllindo

    O PUsh rACe recife mudou e muito. O evento cresceu, mudou de dia e horrio, ganhou mais competidores e patroci-nadores. A 1 etapa, aconteceu na tarde de Sbado, 26 de Ja-neiro de 2013 na Rua da Aurora. Ao todo foram mais de 70 participantes e apenas 53 inscritos completaram o percur-so! Famlias inteiras eram vistas competindo nas categorias Master, Feminino, Mirim e Amador. Equipes tambm deram as caras no Push, exemplo dos Afrika, Hill Boys e Longboard Per-nambuco, que foram bem representados na corrida e no pdio. Jaime Ribeiro, foi o grande campeo da etapa. No Feminino Julia Santiago sagrou-se Bi-Campe. No Mirim, venceu Lucas Henrique e na Master, Nivaldo Karate Firmino. Foi criada para essa edio a categoria de Melhor Fantasia, venceu a irreve-rncia e criatividade de Rafael Natrielli, com a fantasia O Pa-pa-asfalto! O III PUSH RACE Recife, teve o Patrocinio da FISH, REDBULL, KENNER, KOSTON, SECTOR 9, MILLYS, MSTICA, MAKKINA, SKATELONG e AFRIKA.Resultados: Masculino: 1 Jaime Ribeiro; 2 Mysael Siqueira; 3 Felipe Barroco; 4 Da-niel Samico - Feminino: 1 Julia Santiago; 2 Carla Mesqui-ta; 3 Paloma Azevedo; 4 Karla Coimbra - Mirim: 1 Lucas Henrique; 2 Dennis Guilherme; 3 Lucas Freire; 4 Alexandre Carcar - Master: 1 Nivaldo Firmino; 2 Hugo Freitas; 3 Aldo Junior; 4 Vinicius Duarte. Melhor fantasia: Rafael Natriell. A prxima etapa est prevista para a segunda metade do ms de Abril. Mais informaes pelo Facebook/ PUSH RACE Recife.

    Carl

    os G

    omez

    robe

    rto

    Dona

    sk

    arqu

    ivo

    erratas (1) Na edio nmero 2, divulgamos as conquistas de Caco Rato, mas o nome saiu escrito como Caro Rato... Desculpem nossa fa-lha. O nome certo CACo rAto! (foto) (2) Por algum motivo desconhecido, a divulgao do ranking da CBSK amador do longboard na ltima edio, estava errada em relao ao terceiro. O certo que o skatista Thiago Bomba Lamego ter-

    minou em 3 lugar no circuito CBSK amador long... Falha nossa! (foto) (3) O site da marca Pool Shark, : www.poolshark.com.br (foto) O nome certo do evento de speed em Teutonia, foi: topskate teutonia Pro. A imagem da matria Push, que impulso esse? da primeira edio, onde a galera de POA est comeando a dar impulso do fotgrafo Josu Menezes. Sorry!

    (1) (2) (3)

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • Longriders Girls:Jssica Batista souza e tamis Guerra

    Nessa edio, que estamos abordando a presena de garotas no skate de uma forma participativa e de destaque, selecionamos duas skatistas, de dois estados diferentes, com duas particularidades em comum: o longboard e os patrocnios internacionais. Garotas pro-missoras... Vida longa sobre o skate!

    Jssica Batista souza da cidade de Juiz de Fora, interior do es-tado de Minas Gerais. Conhecida pelas altas montanhas e vales que existem ao redor da cidade, propcia inumeras. Com seus 21 anos, sendo que 4 so sobre o longboard, conquistou rescentemente o pa-trocnio da marca holandesa Concrete surfer, do brasileiro Flvio Badenes, sendo que seu model pela marca estar sendo lanado em

    breve. Em uma reportagem da mdia local, Jssica foi destaque de capa do jornal Tribuna de Minas e conta tambm com o patrocnio da loja HardBack Skateshop.

    tamis Guerra da cidade de Curitiba, principal cidade e capital do estado do Paran, local que sempre foi um dos principais celeiros de skatistas do Brasil em todos as modalidades. Tamis est colocando a cidade tambm na cena mundial do longboard; com patrocnio da mar-ca suca AirFlow, amante da velocidade e gosta de descer ladeira no gs. Com 23 anos, h 1 ano e seis meses montou seu primeiro skate e h um ano comeou a praticar downhill speed. Faz parte da equipe CWBOMBS e tambm embaixatriz do Longboard Girls Crew no Brasil.

    Caro

    lina

    mun

    iz

    brun

    o m

    arra

    Carl

    os m

    ilDe

    mbe

    rGer

    Carl

    os m

    ilDe

    mbe

    rGer

    crvis3r skAteboArding

  • _ the hut

    crvis3r skAteboArding

    | lado a

  • crvis3r skAteboArding

  • Quando e onde comeou o Longboad Girls Crew (LGC)?O Longboard Girls Crew (LGC) uma comunidade internacional criada no ve-ro de 2010 por um grupo de meninas skatistas de Madri.O que motivou a criao do grupo e quem so as fundadoras?Ns estvamos cansadas de sermos as nicas garotas no meio de uma galera com-

    posta s por homens, ento decidimos nos juntar e criar um grupo no Facebook pra nos encontrarmos, curtirmos e andarmos de skate juntas. Ns nos tocamos que a energia era diferente quando a sesso era s com meninas. Nossa misso foi de nos agrupar e colocar o longboard feminino no mapa. Ns sabamos que tinham mais me-ninas por a, e s precisvamos encontr-las ou faz-las querer a comear tambm. Foi da que veio a ideia de um vdeo exclusivamente feminino (o Girls Can Ride, de Juan Rayos). Depois disso, tudo comeou a crescer muito, mas nossa misso ainda a mesma. Ns conquistamos um bocado de coisas at agora, mas ns ainda estamos trabalhando pela igualdade entre os sexos. Somos cinco por trs do LGC: Jacky Man-denfrost, Carlota Marti, Monica Mandenfrost, Jesus Asensio e eu.

    pOR FbiO bOLOta | TRADuO GutO Jimenez | FOTOS RaphaeL LuCena

    As garotas do Longboard Girls Crew da Espanha, criaram essa comunidade

    voltada para as praticantes do longboard, com o intuito de se

    comunicarem e conhecer mais e mais skategirls pelo pas e pelo mundo. Em poucos anos se tornaram um dos

    grupos femininos mais reconhecidos do longboard mundial. Com isso, esto em 180 pases e com mais de 160 mil seguidores na pgina do Facebook. Em setembro do ano passado, vieram ao Brasil a convite da marca carioca

    Farm, para participarem de uma srie de filmagens na Cidade Maravilhosa.

    Entrevistamos a responsvel e criadora da LGC, Valeria Kechichian,

    para falar sobre esse amor pelo longboard.

    Da Espanhapara o mundo!

    Entrevista: Valeria Kechichian

    crvis3r skateboarding

    lgc - longboard girls crew

  • Voc e algumas meninas estiveram no Rio e participaram de um vdeo que est sendo lanado agora. por favor, explique mais sobre esse projeto e nos diga o que voc viu no cenrio de skate feminino brasileiro.

    A Farm escolheu quatro skatistas euro-peias pro projeto, eles tinham visto o En-dless Roads (nosso projeto audiovisual an-terior) e queriam fazer algo conosco. Ns falamos sobre a ideia por alguns meses e finalmente Kari Havnevik (de Oslo), Cristina Snchez (Barcelona), paulina Nowik (da po-lnia) e eu (que sou argentina mas vivo em Madri) voamos pro Rio pra termos a melhor experincia profissional de nossas vidas. Nos juntamos carioca Danielle piccolo e paulisa Layla Motta por alguns dias e nos divertimos muito juntas. A Farm uma mar-ca carioca e eles queriam mostrar o estilo de vida da cidade junto com alguns dos me-lhores picos de skate possveis. Ns fizemos um pouco de tudo relacionado s modalida-des de longboard e fizemos imagens em al-guns dos cenrios mais lindos de todos os tempos. Ns todas nos apaixonamos pelo Rio! A cena brasileira de skate feminino demais! Algumas das melhores e mais rpi-das skatistas de ladeira do mundo so bra-sileiras. A gente no sabia que o skate um dos esportes mais populares do pas, per-dendo apenas pro futebol... isso demais! Ns tivemos sorte de fotografar com a Bia Sodr e a Jssica Arias de Sousa, duas ti-mas streeteiras, e foi timo.

    Como voc analisa a participao crescente de meninas andando de ska-tes e longs ao redor do mundo?

    algo inacreditvel, nunca antes na his-tria do esporte tantas mulheres esto competindo ou simplesmente andando de longs e skate. Ns gostamos de pensar que a LGC teve algo a ver com isso, j que a ideia por trs de nossos primeiros vdeos foi a de encorajar mais meninas a pegar um skate e andarem. No posso falar do skate como um todo, mas em relao ao longbo-ard posso dizer definitivamente que funcio-nou. Recebemos centenas de mails por dia de meninas de todo o mundo nos agrade-cendo por inspir-las a andar de long, essa a melhor recompensa do mundo e a coisa mais importante que ns j fizemos. A gen-te ainda precisa continuar a trabalhar pra alcanarmos a igualdade real, mas estamos num bom caminho pra isso.

    Como so os contatos com outras ga-leras de meninas skatistas ao redor do

    Acima: A mentora de toda essa expanso pelo mundo com seu skate, Valeria Kechichian, aproveitando as ladeiras e visual da Prainha, Rio de Janeiro. Abaixo: Entre filmagens e algumas sessions, Cristina Snchez mandando alguns manuals/G-turn, na Cidade Maravilhosa.

    crvis3r skateboarding

  • mundo? elas fazem muito contato com vo-cs? Quais pases que vocs acham terem o maior nmero de meninas?

    Ns supervisionamos todas as outras pginas oficiais da Longboard Girls Crew. Temos embai-xatrizes que administram as pginas e organi-zam eventos, videos e promovem o esporte em seus pases, mas tem sempre algumas regras a serem seguidas. Nesse momento, a LGC repre-senta um bocado de coisas que as meninas mais jovens se inspiram, e ns no queremos dar ne-nhum mau exemplo. Todas ns, e eu quero dizer todas as meninas que andam de skate, estamos trabalhando duro pra que a comunidade cresa, ento ns temos de continuar a fazer isso da me-lhor maneira que pudermos.

    pra concluir, boa sorte! Deixe a sua men-sagem pras garotas skatistas brasileiras.

    Divirta-se e ande de skate de maneira segu-ra! A melhor skatista aquela que se diverte mais, ento aproveite o skate. Trate bem as me-

    ninas que esto comeando, deixe-as ver que existe uma comunidade feminina que as apia pois somos uma comunidade acima de tudo. Qualquer menina que ande de long ou d apoio ao longboard feminino parte da Longboard Girls Crew. J mencionei que es-tou apaixonada pelo Rio? (risos)

    Ao lado: Equipamento se faz necessrio

    quando o assunto velocidade. Cristina

    Snchez botando pra baixo! Abaixo: As

    garotas do LGC, Valeria Kechichian, Danielle

    Piccolo e Kari Havnevik sendo filmadas pelo

    diretor, Guilherme Guimares.

    > VaLeRia KeChiChianIdade: 32Nacionalidade: Buenos Aires, ArgentinaResidente: Madrid, EspanhaCargo na LGC: Fundadora e Imprensa/Relaes pblicaswww.facebook.com/longboardgc

    crvis3r skateboarding

    lgc - longboard girls crew

  • Muito tem se falado sobre o futuro do downhill speed, desde que um racha entre alguns competidores tops e organizadores de eventos trouxe a criao de duas entidades mundiais diferentes. O futuro, como sempre, uma surpresa; a gente pode no mximo pegar alguns fatos do tempo atual e projetar adiante, buscando sempre melhorar aquilo que ainda precisa de ajustes. Nesse sentido, o Mad Rats Downhill Challenge serve como referncia de muito daquilo que necessrio pra se realizar um excelente evento da modalidade.

    por Guto Jimenez

    Pra comear, vamos ladeira em si, a legendria Estrada da Lomba Grande em So Joo do De-serto na rea rural de Novo Hamburgo. 1.500 metros divididos em uma seo reta, curva em cotovelo pra esquerda emendando num S que deriva pra direita, uma looonga reta insana que termina numa curva mdia pra direita e culminando num mini-tobo-g at a linha de chegada. Um circuito veloz, com tre-chos tcnicos misturados com outros onde os dentes quase trincam de tanta vel, numa estrada de duas fai-

    xas de rolamento onde os fenos puderam ser colocados nos acostamentos - ou seja, nada pra travar a descida alm das prprias disputas em si. Esse verdadeiro solo sagrado dos speedeiros gachos vem hospedando ses-ses e eventos desde o final do sculo passado, alm de ser o pico favorito do campeo mundial Douglas Dalua. No futuro, se todos os eventos forem realizados em pi-cos como esse, certo que ningum iria reclamar nem ver o menor problema...

    A velocidade e a tcnica demonstrada pelos compe-tidores praticamente exige que a organizao no futuro seja dedicada ao extremo e trate-os com o devido res-

    Acima: Amadores disputando palmo a palmo no cotovelo do alto da legendria Estrada So Joo do Deserto.

    Mad Rats Downhill Challenge

    O futuro pra jRi

    que

    BaRB

    o

    crvis3r skateboarding

    mad rats downhill challenge

  • aRak

    in M

    onte

    iRo

    aRak

    in M

    onte

    iRo

    Christie Aleixo botando pela esquerda na ltima curva.

    Douglas Dalua liderando a bateria pro antes do S.

    crvis3r skateboarding

  • peito, respeitando os horrios estabelecidos (deixando uma boa brecha pra eventuais imprevistos) e oferecen-do uma premiao digna e atraente. pois bem, nesse sentido o evento foi praticamente impecvel, sendo ne-cessrios apenas pequenos acertos aqui e ali, como uma maior rea de sombra dedicada aos competidores na largada ou uma locuo na chegada. Nada disso, porm, foi determinante pro resultado final das competies e do evento, que ofereceu a maior premiao em campe-onatos da modalidade no pas que inclua dinheiro, pro-dutos a rodo e at duas motos zero, sem falar no fato de ter encerrado duas horas antes do cronograma. No houve quem tivesse na rea de premiao que no tives-se com um largo sorriso estampado no rosto, e esse o maior sinal de satisfao generalizada que se pode ter. Todos os mritos pros incansveis Douglas Dalua, Ale-xandre Maia e Kak Verardi e pro imponente Mano, que

    se cercaram de uma equipe to disposta quanto eles e realizaram um evento prximo da perfeio.

    outro fator que precisa continuar no futuro a reno-vao de talentos no speed, de preferncia vindos dos mais variados lugares do pas. Nomes como o carioca rodrigo Belli, o gacho Yan Bertinati, os paranaenses Bruno Spengler e Gergia Bontorin e o paulista Leonar-do de Barros todos adolescentes com menos de 17 anos botam pra baixo com tcnica apurada e o deste-mor tpico da idade, com total apoio de suas famlias e de seus amigos e montados nos melhores equipamen-tos que se pode adquirir. Que diferena pra minha po-ca, quando a gente tinha que dropar escondido das fa-mlias e at das namoradas sobre skates cujas nicas diferenas eram as rodas mais moles, os amortecedores mais duros e as inevitveis luvas de lixeiro...

    Seria o mximo se todas as competies de agora

    Riqu

    e Ba

    RBo

    aRak

    in M

    onte

    iRo

    aRak

    in M

    onte

    iRo

    aRak

    in M

    onte

    iRo

    Abaixo: A melhor ultrapassagem do curvo foi essa de Juliano Lilica sobre Caco Ratos.

    Competidor negociando a curva. Hospitalidade gacha. Gergia Bontorin recebendo o trofu.

    crvis3r skateboarding

    mad rats downhill challenge

  • mAD RAtS DoWnHiLL CHALLenGe 15 e 16 de dezembro de 2012, Estrada So Joo do Deserto, distrito de Lomba Grande, Novo Hamburgo (rS). patrocnio: odor Free, Koston, Surf No Asfalto, Sk8 1.Apoio: rayne, Face, Landyachtz, orangatang, Tacna, Duelo Skateboard.oferecimento: North Sul, Sector 9, New olders, Skate At Morrer, 4:20, Be Safe, Invasor 13, Zumbi Longboards, A.l.c. (Assoc. Longboard De Canoas), Toldos Tecnolona, Yamavale.

    ReSuLtADoSPRo1 Silon Garcia rS BrA / 2 Douglas Silva Dalua rS BrA / 3 Alysson Garcia pr BrA / 4 ricardo Caco reis Sp - BrAFeminino1 Georgia Bontorin pr BrA / 2 Christie Aleixo rJ-Sp BrA / 3 Bianca Fior pr BrA / 4 reine oliveira Sp - BrAAmADoR1 Joo ogava pr BrA / 2 Thiago Gomes Costa Sp BrA / 3 Vinicius Castagna rS BrA / 4 Carlos Augusto Correia paixo pr - BrAmASteR1 Juliano Cassemiro Lilica Sp BrA / 2 Fbio Lamb Lampio rS BrA / 3 Alexandre Maia SC BrA / 4 ricardo Kako Max Tonniges rS - BrAJunioR1 rodrigo Belli rJ BrA / 2 Lucas Grazziani Fernandes rS BrA / 3 Leonardo Vasconcelos Martinho De Barros Sp BrA / 4 Marlon Burgatti pr - BrALuGe1 Jonathan rodrigues pr BrA / 2 Cristian Daniel ArG / 3 Fernando rocha rS BrA / 4 paulo B. Barbosa Da Silva rS BrA

    Parabns Duane Espndola Corra, que ganhou uma moto zero no sorteio final entre os competidores!

    *Guto Jimenez viajou a convite da Mad Rats.

    em diante tivessem um pblico como o que esteve presente na Estrada, animado e par-ticipante. os gachos so mundialmente fa-mosos pelos seus churrascos, pelo chimar-ro e por serem hospitaleiros e ruidosos, e no podia ser diferente num evento de ska-te. os moradores locais foram tudo isso e receberam os haoles da melhor maneira possvel, especialmente no pico classe A da ltima curva com viso privilegiada da linha de chegada, com todas as carnes, os fran-gos, as lingias e a cerva gelada que uma pessoa pudesse consumir. Some a isso a animao de crews como as de Canoas e Guaba, Sp Downhill e CWBombs esses l-timos dividindo as cervas, os acepipes e o exclusivo banheiro ecolgico com o tiozi-nho aqui e pronto, animao garantida o tempo todo!

    No podia ser diferente, alis. De nos-so pico, assistimos a disputas inesquec-veis como as chegadas emocionantes dos pros, com a vitria de Silon Garcia fren-te da presso exercida pelo Dalua, de Joo ogava nos amadores e Juliano Lilica en-tre os masters, todas decididas nos ltimos

    metros. Vimos tambm aos novos talentos do pedao deixarem seu recado, com rodri-go Belli vencendo a categoria Junior e o ta-lento ascendente de Gergia Bontorin entre as mulheres. Gravem o nome dessa meni-na de apenas 16 anos; se ela tiver o apoio e as condies necessrias, tem tudo pra ser no s campe brasileira mas tambm mundial nos prximos anos.

    Junte ultrapassagens ousadas nos picos crticos de todas as maneiras que voc pu-der imaginar com algumas quedas inevi-tveis sem conseqncias srias; misture com uma galera ruidosa, positiva e hospita-leira; complete com uma organizao com-prometida at o osso e adicione uma exce-lente premiao. Essa a receita dos even-tos de speed que deu muito certo no Mad rats Downhill Challenge e espera-se ser se-guida risca de agora em diante; sem ne-nhum favor a ningum, esse foi o melhor evento de speed ao qual eu estive presente no pas. por tudo isso, d pra garantir sem medo de errar: o futuro pra j.

    Riqu

    e Ba

    RBo

    aRak

    in M

    onte

    iRo

    Yan Bertinati perseguindo na entrada do S.

    crvis3r skateboarding

  • As manobras antigamente eram completamente diferentes. No tnhamos internet nem muito menos Facebook e as re-ferncias hoje so muitas, e com isso vejo as meninas se desenvolvendo num ritmo absurdo. O nvel de quem pratica h anos quase igual de quem pratica h pouco tempo, pois a nova gerao de meninas est demais! Vejo o skate longboard e skate de ladeira cada dia com mais praticantes, e muitas marcas que antiga-mente eram apenas de surf (como um de meus patrocinadores, a Onbongo), esto apoiando eventos e atletas de skate.

    Com essa diversidade, as referncias e o desenvolvimento fren-tico dessas garotas pelo mundo, resolvi selecionar algumas meni-nas de diversas regies do Brasil e da Venezuela com pouco tempo de skate e muita histria pra contar. Na Amrica Central e do Sul (Costa Rica, Panam, Venezuela, Argentina), h muitos campeona-tos de slide, e a cena que era exclusivamente brasileira vem se for-talecendo em diversos lugares do planeta a cada dia.

    Por que garotas da Venezuela? Em diversas cidades venezuela-nas, existem grupos organizados de atletas e uma galera quebran-do, como em Barquisimeto no estado de Lara, Valencia em Cara-

    do slideGarotas POR Laura aLLi*

    bobo, San Antonio de Los Altos em Miranda, Trujillo em Bocono e principalmente, na capital Caracas, onde so organizados diversos campeonatos ao longo do ano. O governo local incentiva muito o esporte com competies em diversos estados, pagando as passa-gens e fretando nibus para os atletas competirem. Por isso, essas garotas vm quebrando nos slides nas ladeiras. Em Caracas, h uma espcie de estrada dentro da cidade, na encosta de uma montanha, que fechada aos domingos como via de lazer e, com essa facilida-de e incentivo do governo, o numero de garotas vem aumentando a cada dia e, por conta disso, o nvel tcnico das manobras.

    A seguir, selecionei algumas meninas de diversas regies do Bra-sil com histrias diferentes em cima do carrinho e algumas repre-sentantes da Venezuela. Para exemplificar a diversidade, a beleza e o alto nvel tcnico das manobras, as meninas me mandaram algu-mas fotos e contaram um pouco de suas histrias.

    Quase completando a maioridade em cima dos carrinhos e praticando at hoje o skate de ladeira no Brasil, resolvi escrever esta matria, pois nunca vi um desenvolvimento to grande da cena feminina como hoje nos meus quase 18 andando de skate. Muitas esto praticando o speed e no slide, modalidade que pratico, o nivel tcnico est aumentando a cada dia. Garotas de diversos estados do Brasil e o do mundo fazendo manobras que, quando iniciei, eram impossveis de serem mandadas.

    Lvia Sodr, bs full slide. Taubat/SP.

    DEH

    LAN

    CAST

    ER

    crvis3r skAteboArding

    slide

  • Laura Alli - So Paulo/SPComecei na adolescncia com skates importados em-

    prestados de um antigo namorado. Como moro em So Paulo e tambm surfo, aproveitava os finais de semana flats pra descer ladeiras como as de Alphaville, P2 no Morumbi e outras na Grande SP. Com o skate, conheci Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Niteri, Braslia, Itaca-r, Salvador e muitas outras cidades, juntamente com os meus sempre patrocinadores e amigos, Leone e Claudi-nho da Tracker/Six Trucks. No exterior, conheci locais como Califrnia, Peru, Chile, Venezuela e Costa Rica. No meu incio tinham duas ou trs meninas praticando e correndo campeonatos. No primeiro campeonato que corri, quem ganhasse teria um patrocnio de uma mar-ca famosa de skate; eu ganhei e fiquei com o patroc-nio. Nisso, foram surgindo matrias em revistas e outros patrocinadores. Tive sorte, pois desde o incio foi muito gostoso andar de skate e ganhar roupinhas, tnis e ska-tes, o que muito me incentivou. Eu nunca deixei de estu-dar e me formei em turismo, pois via que seria muito dis-tante realmente me manter somente do skate. Criei uma famlia no skate e muitos amigos e presenciei o novo boom do skate de ladeira. H um tempo, ns brasileiros ramos os reis do downhill slide, sendo que nosso mes-tre Srgio Yuppie abriu as portas divulgando o nosso es-tilo nico no exterior.

    Christie Aleixo - Rio de Janeiro/RJRepresentante da cidade do Rio de Janeiro, umas das

    principais skatistas e, na minha opinio, a principal e a melhor de todos os tempos. Realizou todas as suas idias, organizou campeonatos no Brasil, foi pra fora do pas pra andar e competir e conquistou incentivo do governo, trei-nando com o objetivo de melhores resultados nos even-tos. Christie Aleixo anda muito na ladeira com seus slides de alto nvel, no speed est sempre ficando nos podiuns e nas pistas manda altas manobras na borda. minha ami-ga, e minha dola! Ns nos conhecemos h muitos anos, e ela foi uma das pioneiras no skate de ladeira no Rio de Janeiro. uma profissional em todos os sentidos, parti-cipando de competies internacionais, trabalhando em uma grande distribuidora de skates no Brasil e vivendo re-almente no que acredita. Trabalha para o desenvolvimen-to do skate no Brasil, alm de ser dona de uma marca cha-mada Crew Bom Drop. Sem dvida, ela um exemplo para quem realmente acredita em viver do skate.

    Sempre tive o skate como brinquedo... descia para a rua com meu irmo e os amigos. Os anos passaram e a relao de brinquedo ficou no armrio com tantos ou-tros. O filho nasceu ainda na adolescncia, uma beno, o skate saiu do armrio, na real, conheci o skate longbo-ard, final dos anos 90... timas referncias na cena ati-va das ladeiras, Laura Alli, Alexandre Maia, Juliano Cas-semiro, Joo Billy, Sergio Yuppie, Mikima, Indio... era a fase de ouro dos anos 90/2000. Os campeonatos vie-ram como forma de intercmbio, mas o negcio ficou s-rio porque tive a oportunidade de trabalhar com o ska-te, rolando muitos eventos, viagens, pessoas, ladeiras, equipamentos, modalidades... Hoje, com 36 anos e anos sobre o carrinho, sou to feliz por estas tantas experin-cias! As mudanas, as articulaes, os rols, os objeti-vos continuam aqui, sofrendo alteraes constatemen-te para sempre poder manter a relao de amor, melhor paixo por este carrinho.

    Acima: Laura Alli, fakie bs air 180. So Paulo/SP. esquerda: Christie Aleixo, bs layback. Rio de Janeiro/RJ. direita: Teca Lobato, classic style. Belo Horizonte/MG.

    BoB

    DoNA

    SkCA

    RLoS

    HAu

    Ck

    ARqu

    ivo

    LEgE

    ND

    crvis3r skAteboArding

  • Teca Lobato - Belo Horizonte/MGConheci a Teca numa dessas idas a campeonatos

    em Belo Horizonte. Ela, muito querida, acolheu por diversas vezes minha equipe de skate em diversas pocas. Participamos de diversos campeonatos jun-tas e hoje seu hobby. Ela vem se destacando em outro esporte de prancha, pois profissional e multi campe brasileira de wakeboard.

    O skate foi o primeiro esporte de prancha que tive contato. No tenho certeza com quantos anos, mas comeei brincando de tentar manobras no solo no skatinho. Minha falta de talento no street me de-sanimou um pouco, e h exatamente 12 anos des-cobri o longboard e a possibilidade de fazer downhill slide, ou simplesmente descer uma ladeira. Assumi o lifestyle desse esporte, que foi minha porta de en-trada no universo dos esportes de prancha e que de-terminaria meu futuro e minha profisso (competi algumas vezes no downhill slide e tomei gosto pe-las funes e correria do esporte). Pouco tempo depois, eu me interessei por outras pranchas e co-nheci o wakeboard, que hoje alm de um hobbie, minha profisso direta e indireta. Sou muito grata pela base e experincias que vivi graas ao longbo-ard, uma delas conhecer mulheres realmente incr-veis como a Laura Alli. H dez anos, o nmero de mulheres na ladeira era muito menor e hoje, ainda bem, estamos na moda (risos).

    Anto VLM - Caracas, VenezuelaUm dos principais nomes no skate feminino da

    Venezuela e uma excelente skatista de ponta a Anto, da crew VLM. Anto tem muito nvel tcnico e velocidade aliada plasticidade e beleza de suas manobras, no perdendo sua feminilidade e tendo o

    skate de ladeira como estilo de vida. Praticando h quatro anos, quando quase no tinham garotas praticantes, Anto foi recomendada por amigos a comprar um skate de uma marca famosa em seu pas e se identificou rapidamente. Seu noivo e amigos ajudaram bastante no desenvolvimento e aprimoramento dela. Elas integram um grupo enorme de meninas, a VLM Girls Crew, e junto com outras praticantes do pas, vem competindo em diversos campeonatos locais e pelo mundo.

    Gabriela Ojeda Gaby VLM - Valencia, VenezuelaGabriela Ojeda, a Gaby da crew VLM, anda de longboard h 2 anos. Para ela, um

    estilo de vida e tambm um transporte ecolgico. Siento la necesidad de ir a la uni-versidad en patineta. Com o esporte vem conhecendo muitos amigos tanto da Vene-zuela como do Brasil, Chile, Panam, etc... Si quieren un deporte de adrenalina les re-comiendo el LONGBOARD SKATE! Buena Vibra para todos! Saludos desde Venezuela.

    Lvia Sodr - Taubat/SPEssa garota de 20 anos comeou a praticar o skate de ladeira por causa de seu

    namorado, um dos principais atletas de downhill amador no Brasil. Com seu pouco tempo de skate, pouco mais de um ano, j manda altas manobras com plasticida-de e preciso.

    Luiza Sampaio- Brasilia/DFEssa linda menina de 17 anos comeou a praticar o esporte por causa da sua

    me, a atual campe brasileira Larissa Sampaio (e colunista na revista, com a colu-na Cuide-se). Hoje, ela uma das promessas da nova gerao do skate feminino.

    *Laura Alli - Longboard rider profissional, tem

    patrocnio das marcas Onbongo, Six Trucks,

    Bom Drop e membro do conselho de slide da

    CBSK (Confederao Brasileira de Skate).

    Na esquerda: Anto VLM, Caracas/Venezuela.

    Na direita: Gaby VLM, Caracas/Venezuela.

    Luiz

    E.R

    EiNg

    RuBE

    R ES

    TEvE

    S

    ARqu

    ivo

    PESS

    oAL

    Luiza Sampaio, classic. Braslia/DF.

    ARqu

    ivo

    PESS

    oAL

    crvis3r skAteboArding

    slide

  • Aps uma srie de contatos, conseguimos que o cone mxi-mo do speed abrisse o jogo nessa entrevista exclusiva pra CRVIS3R. Ele conta um bocado de sua extensa e impressio-nante histria, detona os equipamentos dos dias de hoje (ao mesmo tempo em que exalta os pilotos atuais) e promete: voltar ao mercado em breve com uma srie de produtos que, segundo ele, iro sacudir o cenrio. Leia com ateno, pois ele nada menos que o maior mito do skate de velocidade no planeta, e nos revela o gran-de segredo por trs de sua Histria nica.

    Como que voc se interessou pelo skate em 1 lugar? Em quais picos que voc andava naquela poca?

    Meu primeiro skate foi dado pela minha av. Era um Black Knight

    feito de carvalho com rodas clay(N.R : uma espcie de argamassa, utilizada pra fazer rodas antes do advento do uretano). Eu me en-volvi com o downhill com um amigo de escola; eu j corria de mo-tos, karts e esquis aquticos ento, isso em 1975 quando eu tinha 17 anos. Ele me contou sobre um campeonato mundial de downhill num pico chamado Signal Hill, e da ele montou um skate de DH pra eu experimentar. Ento, num dia qualquer do vero de 1976, ns fomos em busca de umas ladeiras pra ver como eu me sairia. Na mi-nha primeira descida ladeira abaixo, eu dei umas chimbadas vio-lentas e ca do skate, e acabei quebrando o meu pulso e brao di-reitos. No sei se por ego ou orgulho, mas eu decidi que a culpa era do skate e no da minha falta de experincia, e ento eu resolvi fa-

    Roger Hickey

    poR Guto JimEnEz | fotoS arquivo pEssoal

    No nenhum exagero dizer que ROGER HICKEY o skatista que mais influenciou o downhill speed na histria da modalidade; seus mais de 300 triunfos seguidos (!) em corridas ladeira abaixo j o credenciariam como o competidor mais vencedor em todas as modalidades de skate de todos os tempos. Alm disso, inscreveu seu nome no Livro Guinness dos Recordes ao quebrar recordes de velocidade tanto no speed quanto no street luge modalidade inventada por ele, alis. Como se isso j no fosse o bastante, tambm criou a postura utilizada pelos pilotos at os dias de hoje (a chamada Hickey Tuck), e tambm deixou a sua marca no design de eixos, rodas e at em obstculos de skate. Ah, sim: ele tambm foi o nico skatista a conquistar uma medalha de ouro olmpica outorgada pelo COI. J est bom pra voc?!

    Entrevista:

    Arqu

    ivo

    MAd

    rid

    SkAt

    eboA

    rd

    crvis3r skAteboArding

    roger hickey

  • bricar o meu skate. Eu decidi construir um skate pra dropar deitado no evento de 77, pelo menos at que eu fosse bom o suficiente pra me tornar um pro na outra categoria. No final das contas, eu corri o evento e fiquei e 4 lugar, e em 78 inventei o Skate Car e fiquei em 4 de novo. Isso me estimulou a levar o esporte a srio e eu quis ser campeo mundial nas duas modalidades, ento eu comecei a estu-dar aerodinmica e a treinar muito pesado, cerca de 7 a 8 horas por dia em todas as ladeiras que eu pudesse dropar.

    voc considerado um dos skatistas que mais marcaram o speed at os dias de hoje. quem foram os caras que te influenciaram?

    Bem, eu decidi aperfeioar minha tcnica e passei a estudar e focar no que podia fazer pra ser o melhor. Da, fiquei encanado em derrotar John Hutson, que no era derrotado h 6 ou 7 anos, ento eu decidi que era ele mesmo quem eu tinha de vencer. Se eu pudes-se super-lo, ento qualquer outro poderia ser derrotado da mes-ma forma. Eu tinha uma galera com quem treinava e descobri um pico chamado Glendora Mountain Road, um lugar que eu j conhe-cia quando morava em Glendora. Um amigo me falou que tinha um grupo de motoqueiros que usavam o local pra disputarem rachas, ento eu fui conferir o lugar. Enquanto eu subia e descia o pico, que tinha 10 milhas de comprimento e muitas curvas, eu ficava pensan-do numa maneira de dropar aquilo deitado num skate. foi da que nasceu o street luge.

    suas disputas contra John Hutson foram lendrias, inclusi-ve uma delas foi parar na capa da thrasher no incio da revis-ta. Como voc se relacionava com ele?

    Eu posso dizer que eu gostava do John Hutson muito mais do que ele gostava de mim. Eu no sei se um rei gostaria de ser amigo de algum que quer derrub-lo do seu trono, mas eu tinha muito res-peito por seu status legendrio e no podia esperar ter a habilidade suficiente pra derrot-lo. Na real, eu sempre o coloquei num pedes-tal durante toda a minha vida, j que ele era o Rei.

    Afinal de contas, de quem foi a ideia da postura tuck no speed, sua ou de Hutson?

    totalmente do John Hutson, tanto que era chamada no incio de Hut tuck. Eu costumava copiar tudo na postura dele, junto com to-dos os outros. Ento um dia, o Dan Baumea e eu estvamos brincan-

    Abaixo: Roger Hickey liderando - nenhuma novidade. direita: Em ao numa das speed machines; alguns skates do acervo pessoal.

    do com um tnel de vento e fizemos algumas teorias sobre a postu-ra. Ento, eu me posicionava no tuck com uma luz acesa na minha frente fazendo uma sombra atrs de mim. Da, a gente ia colando pedaos de papel bem grandes e ia medindo pra ver como eu po-deria reduzir o arrasto na rea frontal, as partes do meu corpo que eram atingidas pelo vento. Ento, eu inventei um tuck novo que as pessoas chamaram de Hickey tuck, no qual eu fazia a minha perna traseira sumir do arrasto do vento, acabei tendo de aprender um estilo completamente diferente de andar, mas valeu a pena. Ento o Hut tuck era ficar o mais abaixado possvel como se voc tivesse uma bola entre suas pernas abertas, e o Hickey tuck era um pou-co mais alto num formato de t, como um poste com asas na parte superior, escondendo a perna traseira atrs da dianteira e encos-tando o peito na perna da frente. Bem, posso dizer que funcionou (risos): eu nunca perdi uma corrida depois dessa descoberta e ga-nhei 18 campeonatos mundiais de speed. Veja bem, eu pesava 100 kgs e tenho 1,92, e o vento pensava que eu era um cara de 1,70 pesando menos de 70 kgs...

    Eu sei que tanto os equipamentos quanto os circuitos evo-luram bastante, mas tem como voc fazer alguma compara-o entre o speed boarding de hoje e do incio dos anos 80?

    pessoalmente, eu sinto que ningum daquela poca (antes de 2000) poderia derrotar um campeo mundial nos dias de hoje, mas eu tambm sinto que ningum da poca atual poderia derrotar um campeo daquela poca, sendo John Hutson ou eu mesmo. os ca-ras de hoje so especialistas em reduzir a velocidade, enquanto que ns s nos preocupvamos em ir o mais rpido possvel sem reduzir a vel. Ns dropvamos praticamente pelados, usando aquelas rou-pas de ltex, capacetes normais e luvas de golfe. Quanto ao equi-pamento atual, eles devem tudo a ns, os velhotes. fomos ns que sentimos, desenvolvemos e continuamos a desenvolver rodas, eixos e tbuas melhores. Ns praticamente inventamos os longboards, j que skates maiores s eram usados pra quem queria andar rpido ladeira abaixo. Antes de 2000, qualquer skate entre 33 e 38 pole-gadas era um long; os de hoje em dia parecem uns tanques pesados que no flexionam. Eu acho que o nosso equipamento era mais rpi-do, mas o de hoje em dia muito mais previsvel e mais fcil de ser usado pelas massas.

    crvis3r skAteboArding

  • roger, eu acho que voc o skatista que mais ganhou even-tos pros em toda a histria do speed, seno do prprio skate. quantos campeonatos voc ganhou no total?

    Eu ganhei 18 campeonatos mundiais de speed, sou o nico skatis-ta no mundo que tem uma medalha de ouro olmpica ganha sobre um skate e ganhei 314 corridas seguidas em 10 pases diferentes. Eu tambm tive o recorde do Guinness por 15 anos, o qual eu quebrei por 3 vezes. J no street luge, eu ganhei 20 campeonatos mundiais e venci 287 disputas seguidas. Tambm fui um recordista da Guin-ness por 20 anos, e aumentei o meu prprio recorde por 5 vezes.

    qual era o seu skate na poca em que voc competia? E o de hoje em dia?

    Essa uma pergunta engraada: na verdade, eu ganhei as minhas 314 corridas com uma nica tbua. Eu a chamo de Lucille, como a guitarra do B. B. King, e ela est pendurada num museu em San Die-go. Ela tem 34por 9.5 e tem um concave de 7 graus, e de 7 cama-das. Eu usava eixos tracker, os quais eram lixados pra melhorar a ae-rodinmica, e depois eu inventei o Hickey truck, que tinha dois eixos independentes. foi por causa desse eixo que o Byker Sherlock con-seguiu me afastar das competies, j que ele no conseguia nem me enxergar sua frente nas corridas, e ele era dono da organizao das corridas naquela poca. Ele inventou toda uma legislao Hi-ckey pra tentar me fazer mais lento, mas nunca me derrotou (risos).

    Como foi a experincia de ter sido o primeiro e nico ska-tista a ganhar uma medalha olmpica?

    puxa, obrigado por seu conhecimento e honestidade... pra te falar a real, essa entrevista ta sendo o mximo! (risos) Sim, eu sou o ni-co skatista a ter uma medalha de ouro olmpica do CoI, ganha nos

    esquerda: A legendria roupa de lycra bicolor que Hickey usava nos anos 80; Hickey X Hutson, a maior disputa da poca na capa da Thrasher. direita: O macaco de couro com os ttulos mundiais nas costas.

    Corra contra a ladeira, no contra as pessoas.

    pireneus (frana). Eu estou olhando pra ela agora, aqui no escritrio da freshpark. olha, a experincia foi tamanha que poderia fazer um filme dela, muita coisa pra contar de uma vez, mas te digo que eu me sinto abenoado disso ser parte da minha vida.

    Voc tambm revolucionou o luge com as suas Speed Ma-chines. Qual delas era a sua favorita e qual foi a maior velo-cidade que voc atingiu nos seus blidos?

    Eu acho que inventei uns 30 tipos diferentes de luges, nenhum dos quais se parece com nada que se usa nos dias de hoje. parece que o esporte andou pra trs depois que eu parei de competir... os caras se tornaram uns copiadores da verso do Byker pra luges, com as quais nunca me derrotou, e todo mundo passou a copiar aquilo. muito estranho ver como o esporte ficou devagar depois disso! Eu tenho certeza de que poderia sair de minha aposentadoria de com-peties aos 54 anos, ajeitar um de meus msseis antigos e detonar qualquer um nos dias de hoje que se julgue o cara no luge. Quanto s favoritas, eram duas: uma era pra corridas de estrada e se chama-va Eagle, que era uma coisa linda e mais rpida que um raio! (risos) A minha favorita era a Genesis, que tem segredos na sua cons-truo os quais no so conhecidos at os dias de hoje. Ningum sequer chegava perto dessa beleza, era tima pra curvas suaves e tambm imbatvel nas retas. Em se tratando de recordes mundiais, os outros ficavam no mnimo com 10 mph mais lentos... A maior ve-locidade que j registrei nela foi de 91 mph (ou 145.6 km/h) e o re-corde oficial do Guinness ficou em 81 mph (ou 130,3 km/h).

    alis, parece que velocidade contigo mesmo j que voc j correu de carros, motos e at barcos. seria esse um vcio em adrenalina?

    Eu no sei se um vcio em adrenalina ou uma onda de querer de-safiar a morte e controlar algo que meio incontrolvel, s sei que eu adoro andar rpido, adoro o que faz com o meu crebro. o lugar mais calmo que eu consigo estar, talvez a hora que eu pratique a mi-nha meditao: o nico momento no qual o crebro se concentra em apenas uma coisa. Quanto mais rpido eu for, maior o risco, e mais profundo se torna o lugar onde a minha mente fica. J cochilei vrias vezes esperando a minha vez numa final de evento, ou ento esperando a minha vez de descer uma ladeira enorme. Eu relaxo, o que nunca bom pro meu competidor nervosinho.

    crvis3r skAteboArding

    roger hickey

  • Fora a sua imensa contribuio ao skate, voc tambm um inventor, designer e fotgrafo bastante talentoso. por favor, cite algumas de suas patentes registradas e designs campees.

    Eu acho que fui abenoado no sentido de manter meu foco, de es-tabelecer metas ridiculamente altas e de trabalhar muito duro pra alcan-las, e acho que a minha maior bno o meu talento criati-vo. Nasci pra ser um designer, pra pintar, esculpir e fotografar, e me tornei bem sucedido com isso, j que ganhei 48 prmios fotogr-ficos. Nos ltimos anos, a patente mais recente a Freshpark, que so obstculos dobrveis e indestrutveis pra esportes de ao. Ns j vendemos mais de 170.000 obstculos diferentes pra quase 80 pases diferentes. S que a gente est precisando de uma forcinha a no Brasil, ser que voc poderia me recomendar?

    na hora! Como voc v o fato do speed ser uma atividade quase amadora nos dias de hoje?

    Engraado isso, porque eu no me lembro de ter mencionado que todos ns ramos amadores naquele tempo... De qualquer forma, eu acho que est ainda mais amador do que antes, mas no de uma maneira ruim. uma tolice achar que mais de 1000 pessoas cor-rendo um circuito so todas profissionais, ns tnhamos talvez uns 200 caras por temporada naquela poca, e talvez uns 50 tivessem nvel de pro. Eu acho que o downhill drifting est num bom lugar e com certeza est prestes a se tornar um esporte reconhecido, ao contrrio de minha poca quando era uma espcie de esporte ou hobby pra uns caras desafiadores.

    voc ainda d uns dropes de vez em quando?Umas duas vezes por semana, ou mais quando d. A gente aqui

    tem um lance chamado de board meeting (um trocadilho com reunio de diretoria) onde todos ns dropamos pra ver quem vai pagar a conta do almoo da galera depois. (risos)

    no faz muito tempo, eu vi uma tbua com seu nome. quais produtos voc endossa hoje em dia?

    talvez tenha sido o model que a Madrid lanou h algum tem-po, mas eu no endosso mais aquele produto porque era maior do que qualquer model que eu fosse usar. Estou no processo de criar uma linha completa de produtos Hickey Racing que vai botar fogo no mundo do speed, pois fiquei de saco cheio desses produtos que s copiam uns aos outros e isso no faz nenhum sentido. Eu aplau-do os caras por conseguirem andar nesse lixo atual mas, na boa, vamos fazer do jeito certo e vamos fazer rpido. tenho algumas t-buas, alguns eixos supersnicos e algumas rodas saindo do forno, e

    Da direita para esquerda: Mos na cabea! - dropar rpido no um crime; aperfeioando o Hickey tuck, usado por pilotos do mundo inteiro; pose de gal do maior cone do speed.

    at mesmo macaces e rolamentos melhores. Vou te dar algum ma-terial pra voc doar ou fazer um leilo e arrecadar dinheiro pra enti-dade beneficente que voc escolher, pois sou um cara que gosta de doar e isso vai me ajudar ainda mais.

    nem precisa falar duas vezes! (risos) agora, como voc v o crescente interesse por longboards no geral e no speed em particular?

    Uma loucura, mas acho que os longboards, que so glamouriza-dos pelos speedeiros, atualmente esto levantando o mercado do skate. Sei de alguns caras que se dizem core que no gostam, mas as coisas so do jeito que so e os longs tornaram o skate mais pa-latvel e acessvel pra qualquer pessoa. Mes, pais, minas, qualquer um pode andar num long. Eu gosto de ver gente que voc jamais as-sociaria ao skate sentir a liberdade e o esprito da coisa.

    no te d uma coceira nos ps vendo os circuitos nos quais os caras competem atualmente?

    oH, YEAH! (risos) Na real, a coceira nunca passa, mas eu tambm tenho de ser realista. tenho que me tocar de que qualquer coisa que eu fosse ganhar agora daqui em diante teria de ser algo diferente do que eu j fiz, e no melhor. Talvez com a motivao correta, eu pudesse voltar a competir no street luge, at porque no d pra se machucar muito fazendo aquilo, e eu acho que poderia competir desde que no fossem aquelas corridas estpidas de dar braadas. o street luge nunca deveria permitir braadas ilimitadas, porque se voc pensar bem, o que os braos tm a ver com o luge?! Devia ter uma rea de uns 8 metros pra dar impulso, e quem passasse disso seria desclassificado.

    roger, eu no tenho como te agradecer o bastante por essa entrevista, foi fantstica pra mim! por favor, mande um reca-do pra galera que vai ver essa entrevista no site e na revista.

    Vou fazer melhor do que isso: quando sair, vou enviar pros meus 5000 amigos no facebook e pro mais de 1 milho de seguidores do freshpark, e vou tambm botar um link no meu twitter e no nos-so site... Agora, uma ltima coisa pra quem se ligar, essa foi a minha grande manobra, ou filosofia se voc assim desejar: corra contra a ladeira, no contra as pessoas. Isso quer dizer que, enquanto voc correr contra a ladeira, voc jamais ficar envolvido emocionalmen-te por qualquer coisa que as pessoas estejam fazendo ao seu redor Assim, voc ficar totalmente concentrado em simplesmente seguir em frente, e no nos que te perseguem.

    uau! obrigado por tudo mesmo, roger!

    Arqu

    ivo

    MAd

    rid

    SkAt

    eboA

    rd

    crvis3r skAteboArding

  • ano 1 | edio 3 fevereiro/maro 2013

    Editores:Fabio Bolota Britto Araujo e Guto Jimenez

    Arte:Edilson Kato

    Redao:Guto Jimenez

    Colaboradores:Texto: Alexandre Maia, Bruno Gallindo, Christie Aleixo, EuAmoLongboard.com.br, Jonathan Strauss, Larissa Sampaio, Laura Alli, SK, The Hut

    Fotografia: Antonio do Passos Thronn, Ana Paula Leeuwenberg, Arakin Monteiro, Bruna Marra, Bruno Gallindo, Bruno Guerra, Carlos Charly Gomez , Carlos Mildemberger, Carolina Corolaa Dottori, Carolina Muniz, Phill Thorn, Tatiane Fagundes, Fabio Bito Amad, Gabriel Klein, Jim Goodrich, Jim Winters, Larissa Sampaio, Laura Alli, Leandro Almeida, Manuela Perez, Rafael Fazano, Roberto Donask, Roberto Tatto, Vitor vidabossa.com

    Comercial:Fabio [email protected](11) 9-6357-3492

    Editora Circuito das guas LtdaRua Paran, 525 Jd. Bela VistaJaguarina - SP - Fone: 55 (19) 3867.0795Diretor - Presidente: Ricardo AzevedoCoordenao: Srgio MariniAdministrativo/Financeiro: Amanda BrisolaCirculao/Comercial: Priscila SardinhaLogstica e Distribuio: Andr Luis S. Campos

    Distruio gratuita em lojas e boardshops(Acompanhe os pontos de distruio na pgina Onde Encontrar da sua CRVIS3R e no site: www.crvis3rskateboarding.com.br)

    Deus grande!

    A Revista CRVIS3R SKATEBOARDING uma publicao bimestral. As opinies dos artigos assinados nem sempre representam a opinio da revista e sim a de seus autores.

    Dvidas ou sugestes:[email protected]

    Acesse: Site: www.crvis3rskateboarding.com.br Facebook: /crvis3rskateboarding Instagram: @crvis3rskateboarding Issuu: /crvis3rskateboarding

    Essa edio didicada a memria de:Maria Jos Britto Araujo;Willians Indio; Marquinho Ubaldo.[ RIP ]

    Respondae

    ganhe!

    Vencedorada PromooRayne/Daluada edio 2 Julia Boratto(e-mail: [email protected])

    Valeu CRVIS3R... Eles prometeram e cumpriram!! Chegou meu kit da prmoo... Pode acreditar que essa revista veio pra ficar e somar!!!Moiss HenriquesGanhador das rodas ABEC 11

    A marca KOSTON vai presentear voc, leitor(a) da revista CRVIS3R Skateboarding, com esse longboard. Basta seguir as instrues abaixo para participar da promoo e boa sorte!

    VEjA COmO FCIL!

    Basta enviar uma frase sobre a seguinte pergunta: O que mais me motiva andar de longboard?

    - Envie a resposta para o endereo de e-mail: [email protected]

    - No subject/assunto escreva: Promo Koston

    - A melhor frase ser escolhida e voc pode ser o ganhador desse skate.

    - O resultado ser divulgado na prxima edio da revista CRVIS3R Skateboarding, facebook.com/crvis3rskateboarding e no Instagram.

    NO PERCA!

    Voc quer ganhar esse skate completo da KosTon?

    Promoo VLIDA AT dia 12/04/13.

  • Skate ArborModel Rally Cork(11) 3251-0633www.plimax.com

    Triple 8Capacete Racer Full(11) 3251-0633www.plimax.com

    Sugar FreeMochila para Longboardwww.sugarfree.com.brwww.facebook.com/[email protected]

    | business plan

  • KostonCapacete e joelheiras (11) 3739-2271www.legendssk8.com

    Sector 9Skate e capacete Nas lojas Star Pointwww.starpoint.com.br

    Capacete e joelheiras

    www.legendssk8.com

    Acesse...siga...curta...compartilhe...

    Site: www.crvis3rskateboarding.com.br Facebook: /crvis3rskateboarding Instagram: @crvis3rskateboarding Issuu: /crvis3rskateboarding

  • por Guto Jimenez | fotos fbio bito

    O ento jovem Jos Henrique Castanho de Godoy pinheiro era mais um tpicoadolescente de so paulo em meados dos anos 80, quando resolveu montar uma banda punk com alguns ami-gos do prdio. pouco tempo depois, ele comeou a dar seus ro-ls de skate pela cidade e teve o primeiro contato com o hiphop, conhe-cendo o mtico thade nesses rols. Um dia, acompanhou o rapper ao estdio onde o mtico DJ Hum estava trabalhando em cima do primeiro primeiro disco da dupla, o seminal Cultura de Rua, e ficou boquiaberto com a tcnica de scratches e transformers do mestre dos toca-discos.

    A partir daquele dia, as ruas paulistanas perderam um talentoso streeteiro, mas o mundo passou a conhecer aquele que seria conheci-do inicialmente por DJ Z Gonzales uma homenagem ao genial Mark Gonzales, considerado o skatista mais influente nos ltimos 30 anos. pouco tempo depois, dividia a residncia da casa noturna Cais com o mestre Arthur Verssimo e, junto ao coletivo conhecido como DJ Chi-ta, passou a fazer as trilhas sonoras dos campeonatos de skate ao re-dor do pas. Nesses eventos, conheceu o Marcelo D2 e foi convidado a participar das gravaes do primeiro cd do planet Hemp, Usurio.

    sete anos se passaram juntos com a banda, e o j DJ Zegon pas-sou a fazer residncias no s no Brasil, mas tambm na Califrnia. o prximo passo natural foi o de produzir artistas de hip hop nacional, como racionais MCs, sabotage, MV Bill, Xis e Nega Gizza, entre inme-ros outros, mostrando o seu talento tambm em mesas de mixagens.A partir da, sua carreira explodiu e tomou propores planetrias, sendo comuns os meses em que ele tocava em at trs continentes diferen-tes o que ajudou a formar uma verdadeira legio de fs pelos quatro cantos do globo.

    Inquieto como sempre, Zegon deu um salto adiante em sua carrei-ra em 2003 com a formao do N.A.S.A. (junto com o DJ e produtor musical squeak E. Clean, irmo do cineasta spike Jonze), e a dupla se

    consagrou com o lanamento de the spirit of Apollo em 2009. o tra-balho pode ser resumido como a congregao universal entre alguns dos nomes mais influentes da msica nos ltimos anos, indo do talking head David Byrne a Chuck D (do Public Enemy), de George Clinton (in-ventor do p-funk) ao chili pepper John frusciante, do essencial Krs--One s piradinhas Santigold e Lykke Li... Enfim, uma verdadeira cons-telao de estrelas do mundo musical fez fila pra poder gravar junto com ele. pense noutro DJ brasileiro que tenha essa moral pelo mundo afora, e talvez voc consiga contar alguns dedos de uma de suas mos.

    o tempo presente continua agitado pro muititalentoso camarada da CRVIS3R sim, eu e o Bolota conhecemos e admiramos o Z h milia-nos, como se diz por a. Na ltima vez que nos encontramos, pelas ban-das do rtMf de floripa, ele me contou que estava preparando material pra um disco solo, algo que deve acontecer ainda esse ano. Mas no pen-se voc que os projetos parelelos foram deixados de lado, nada disso! o segundo lbum do N.A.s.A. deve sair do forno a qualquer momento, unin-do outra galxia de estrelas de altos calibres do meio musical atual, como o volumoso Cee Lo Green, os fundamentais De La soul, sean Lennon e Money Mark, s pra citar alguns e deixar um pouco de gua na sua boca...

    pensa que s isso?! Ledo engano; o artista est envolvido no projeto tropkillaz, azucrinando com verses originais e remixes de in-meros sons nacionais. o naipe do cara to alto que ele se envolveu recentemente num projeto ultra-secreto at pouco tempo: nada menos que um remix pra Jesus Cristo, de roberto Carlos! Quando at o rei se rende ao talento incomparvel do Mago das pickups, s nos resta aplaudir e reverenciar.

    Como voc j percebeu, o cu j deixou de ser limite pro Zegon h muito tempo... Ao infinito e alm! Som na caixa e aumenta o bass, DJ!

    Oua e baixe alguns sets e remixes do Dj Zegon:www.soundcloud.com/djzegon

    Junte msicas com batidas e estilos variados, incluindo hits, underground, clssicos e remixes. Adicione mixagens rpidas e rasteiras, com preciso cirrgica e que surpreendem a qualquer pessoa. Acrescente um beat P-E-S-A-D-O, do tipo que te sacode por dentro e com o qual impossvel ficar parado, e pronto: eis um set tpico do DJ Zegon.

    O mago das pickupsDj Zegon

    crvis3r skatebOarding

    | headphone

  • Cory lopez

    KIller TIDe

    COUNTDOWN TIMERSUNRISE | SUNSET WaTER RESISTaNCE

    100 M

    freestyleusa.com DIstrIBuIDor eXclusIVo No BrasIl: (11) 3251-0633 [email protected]

  • por Larissa sampaio*

    * Larissa de Sousa Sampaio, 39, nasceu em Goinia, mas vive desde os 5 anos em Braslia. Empresaria, professora de ginstica e personal trainer, formada em educao fsica e anda de skate h 10 anos. a atual campe do Circuto Brasileiro de Downhill Slide 2012 - Longboard Feminino. Patrocnio: Grife Larissa Sampaio Sportwear.www.larissasampaio.com.br

    Eu tenho 30 anos... posso comear a andar de skate?Queridos leitores, essa foi a pergunta que fiz pra mim mesma h 10 anos, quando comecei a andar de longboard com 29 anos de idade. Queria poder sentir a sensao do vento no meu rosto e, claro, fazer exerccios pois a remada tima pra trabalhar as pernas e glte-os.o destino era sempre o parque da Cidade, onde mui-tas vezes encontrava minha querida amiga Juliana Por-to e juntas descobrimos as ladeiras. Claro que ralamos muito pra aprendermos a andar, sendo que hoje muito mais tranquilo, pois tudo est na internet, at mesmo au-las de como fazer as manobras esto disponveis na net.

    Um dia, pedalando pelo Lago Sul, parei para ver o por do sol na Ermida Dom Bosco (parque ecolgico de Bra-slia), onde tudo era terra e fizeram uma ladeira perfei-ta, quando de repente... chegaram os surfistas do asfalto! Eram poucas pessoas e, no meio delas, uma mulher que-brando tudo! Era minha querida amiga Christie Aleixo. Naquele momento, percebi que esse era meu esporte e que o skate entraria definitivamente na minha vida! Co-mecei a competir, mas na verdade a competio pra mim

    sempre foi muito difcil, pois fico nervosa, meu corao dispara... Era a hora de trabalhar a concentrao e a tran-quilidade pra administrar essa adrenalina! Nos campeo-natos tive a oportunidade de conhecer lugares lindos e pessoas maravilhosas e, claro,aprender novas manobras.

    O Skate hoje pra mim filosofia de vida, andando de uma maneira mais for fun, por puro prazer e tera-pia. Se pudesse andava todos os dias, pois se tornou o meu maior prazer, podendo compartilhar esses mo-mentos com minha filha Luiza Sampaio (17 anos), que antes s queria ir ao shopping e, hoje, somos parceiras e j at dividimos lugar no pdio... Isso bom demais! Skate em famlia!

    Por isso posso afirmar: