Revista Brasileira de Física Médica (2009) - Volume 2 ... · PDF filedocument of...

Click here to load reader

  • date post

    04-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Revista Brasileira de Física Médica (2009) - Volume 2 ... · PDF filedocument of...

  • Revista Brasileira de Fsica Mdica (2009) - Volume 2, Nmero 1, p.1

    Editorial Prezados Membros da Comunidade Brasileira de Fsica Mdica,

    com enorme satisfao que comunico a volta das atividades da Revista Brasileira de Fsica

    Mdica (RBFM), uma publicao editada pela Associao Brasileira de Fsica Mdica (ABFM). Depois de

    um perodo de ausncia, a RBFM retorna neste ms de maro com a publicao do volume 2, nmero 1,

    reunindo seis artigos cientficos originais e duas comunicaes tcnicas.

    Como principal meta nessa nova fase, pretendemos garantir a periodicidade e qualidade dos

    trabalhos publicados, buscando sua indexao nas bases de dados tradicionais e consolidando

    definitivamente a RBFM junto comunidade cientfica. Para tanto, a Revista ter a colaborao de novos

    Editores Associados nas reas tradicionais de diagnstico e terapia com radiaes ionizantes e no-

    ionizantes, novas modalidades de diagnstico e terapia, alm de ensino e instrumentao em Fsica

    Mdica. O Conselho Editorial tambm deve ter a colaborao de novos Membros auxiliando no

    cumprimento dos prazos estabelecidos para o processo de anlise e reviso dos trabalhos submetidos

    Revista.

    A participao efetiva de toda a comunidade de Fsica Mdica fundamental para alcanarmos o

    sucesso desejado RBFM. Nesse sentido, todas as sugestes e contribuies que nos forem enviadas

    para melhorar e aperfeioar a estrutura de funcionamento da Revista sero muito bem-vindas.

    Gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer ao Presidente da ABFM, Paulo Costa, pela

    confiana, responsabilidade e autonomia depositadas em mim para a conduo dos trabalhos da RBFM e

    tambm aos antigos Editores e Colaboradores que auxiliaram na idealizao e criao da RBFM. Em

    especial, Laura Natal, Editora Chefe responsvel pela coordenao de todos os trabalhos de criao da

    Revista e sua atual estrutura de funcionamento, bem como, pela publicao do seu primeiro nmero.

    Estaremos empenhados em conduzir as atividades da RBFM com o mesmo entusiasmo e sucesso.

    Finalmente, conclamo a todos membros da comunidade de Fsica Mdica que submetam seus

    trabalhos para publicao RBFM. O sucesso de Revista depende de todos ns!

    Saudaes,

    Marcelo Freitas Editor Chefe

    2009 Associao Brasileira de Fsica Mdica

  • Revista Brasileira de Fsica Mdica (2009) - Volume 2, Nmero 1, p.2-5

    Artigo Original

    CONTROLE DA EXPOSIO OCUPACIONAL S RADIAES IONIZANTES NOS SERVIOS DE HEMODINMICA

    SEGUNDO PORTARIA 453 E AMERICAM COLLEGE OF CARDIOLOGY

    C. C. Gronchi1,2, L. Furnari3, S. G. P. Cecatti1,2 , L. L. Campos2

    1FUNDACENTRO/MTE - Rua Capote Valente, 710, 05049-002, So Paulo, SP/Brasil 2IPEN/CNEN, Av. Prof. Lineu Prestes, 2242, 05505-000, So Paulo, SP/Brasil

    3Hospital S. Joaquim Real e Benemrita Soc.Portuguesa de Beneficncia, Rua Maestro Cardim, 769, 01323-010, So Paulo, SP/Brasil

    Recebido em 15 de outubro de 2004; aceito em 10 de maro de 2005.

    Resumo. O risco radiolgico para a equipe mdica em laboratrios de cateterismo cardaco dos servios de hemodinmica de grande preocupao para a proteo radiolgica de um hospital. Este trabalho teve como objetivo verificar qualitativamente o controle da exposio ocupacional s radiaes ionizantes adotadas nos Servios de Hemodinmica. Foi elaborado um questionrio com base no documento consensual da American College of Cardiology e na diretriz estabelecida pela Portaria 453/98, e foi aplicado em dois hospitais de grande porte do municpio de So Paulo. O estudo constatou que esses servios de hemodinmica adotam a maioria das medidas de controle abordadas no questionrio. Palavras chaves: proteo radiolgica, radiao ionizante, hemodinmica, cateterismo cardaco, medidas de controle. Abstract. The radiological risk for the medical staff in cardiac catheterism laboratories is of great concern for the radiological protection of a hospital. This work aimed to verify the control of ionizing radiation occupational exposure adopted in the hemodynamic services. A checklist based on the consensual document of American College of Cardiology and the established Guideline in Brazil (Portaria 453/98) was elaborated, and applied for two large hospitals of So Paulo district. The study indicates that most of the control measurements are adopted by the hospitals in their hemodynamic services. Keywords: radiological protection, ionizing radiation, hemodynamic, cardiac catheterism, control measurements. 1. Introduo

    No Brasil, o aumento do nmero de servios de hemodinmica desencadeou um incremento nos procedimentos cardacos para fins diagnsticos e teraputicos. O risco radiolgico para a equipe mdica em laboratrios de cateterismo cardaco dos servios de hemodinmica de grande preocupao para a proteo radiolgica de um hospital. A exposio individual em cateterismo cardaco considerada mais alta quando comparada com a exposio ocupacional radiao ionizante proveniente de outro tipo de procedimento radiolgico e, a equipe mdica que realiza este tipo de procedimento pode receber doses prximas aos limites anuais (ICRP, 1991).

    Durante a tcnica de cateterismo cardaco, a fluoroscopia utilizada para colocao de cateteres centrais e marcapassos temporrios, e o seu uso prolongado aumenta o risco de exposio radiao ionizante para o mdico e seus assistentes (Geise and Odea, 1999). Alm disso, em parte da tcnica de hemodinmica utiliza-se a cine para gravao das imagens, que tambm

    resulta em alta exposio individual para a equipe mdica (NCRP, 1990).

    Estudos internacionais mostram que a dose do mdico a mais alta entre os demais componentes da equipe, por ser esse o profissional que permanece mais prximo ao paciente e fonte de raios-X por um longo perodo de tempo durante o procedimento (Padovani and Rodella, 2001; Kottou et al., 2001).

    A magnitude da dose recebida pelo trabalhador depende de uma srie de fatores, tais como o tipo e a idade do equipamento de raios-X, o tamanho do paciente, a disponibilidade de dispositivos de proteo e a distncia do paciente adotada pelo mdico durante o procedimento de hemodinmica (Geise and Odea, 1999).

    O objetivo deste trabalho foi verificar qualitativamente as medidas de controle da exposio ocupacional s radiaes ionizantes nos servios de hemodinmica. 2. Material e mtodos

    Um questionrio contendo respostas binrias (sim/no), sobre medidas de controle da exposio ocupacional s radiaes ionizantes adotadas nos

    2009 Associao Brasileira de Fsica Mdica

  • Gronchi et al: Exposio Ocupacional s Radiaes Ionizantes nos Servios de Hemodinmica 3

    servios de hemodinmica, foi elaborado com base no documento consensual da American College of Cardiology (Limacher et al., 1998) e a Diretriz estabelecida pela Portaria 453/98 da Secretaria de Vigilncia Sanitria do Ministrio da Sade (Brasil, 1998).

    A aplicao deste questionrio foi realizada nos servios de hemodinmica de dois hospitais de grande porte do municpio de So Paulo, designados neste estudo por hospital A e B. Os responsveis pelas informaes do hospital A foram o supervisor de proteo radiolgica e um mdico residente, e pelo hospital B foi o supervisor de proteo radiolgica.

    3. Resultados e discusso

    A anlise dos dados obtidos provenientes da

    aplicao dos questionrios nos hospitais A e B mostrou a ausncia de praticamente as mesmas medidas de controle da exposio ocupacional s

    radiaes ionizantes em seus servios de hemodinmica, conforme especificadas a seguir: comprometimento da direo do hospital com o gerenciamento da segurana e a aplicao do ALARA; correlao da leitura dos dosmetros com o registro do tempo da fluoroscopia e da cine por procedimento hemodinmico realizado; controle das doses mensais dos profissionais que executam atividades com radiao em mais de um estabelecimento; medidor de taxa de exposio sobre a mesa do paciente; filtros de cobres adicionais; medidor de dose no paciente; gravador de vdeo tape para exames repetidos, medidas de controle de carter coletivo como cortina lateral de chumbo, e o monitoramento individual das mos e cristalino. Na Tabela 1 so apresentadas as perguntas que constam no questionrio e os dados obtidos dos hospitais A e B. Alguns itens do questionrio contem respostas em branco que correspondem s questes no respondidas pelos responsveis pelas informaes.

    Tabela 1 Medidas de controle da exposio ocupacional s radiaes ionizantes adotadas nos servios de hemodinmica dos hospitais A e B.

    Questionrio sobre Medidas de Controle da Exposio Ocupacional s Radiaes Ionizantes adotadas no Servio de Hemodinmica

    Identificao da Instituio: A B I Responsabilidade da direo do hospital: Sim No Sim No

    01 Existe um comprometimento do hospital com o gerenciamento da segurana e aplicao do ALARA?

    X

    II Medidas de controle adotadas pela proteo radiolgica do hospital

    Sim No Sim No

    02 Realiza implementao da garantia da qualidade? X X 03 Faz inspeo peridica e teste da unidade de raios-X? X X 04 Faz inspeo peridica das barreiras de chumbo? X X 05 Realiza levantamento radiomtrico das barreiras de proteo? X X 06 Faz medio da radiao de fuga dos tubos de raios-X? X X 07 Em caso de resultados mensais de dose acima de 3/10 do limite anual, comunica

    autoridade sanitria local junto com o relatrio das providncias tomadas? X X

    08 Faz assentamento e reviso das doses? X X 09 Faz a troca mensal dos dosmetros? X X 10 Correlaciona a leitura dos dosmetros com o registro do tempo da fluoroscopia e da cine

    por cada exame? X X

    11 Realiza treinamento para a equipe mdica? X X 12 Realiza treinamento separado por ocupao especializada que compem a equipe de

    hemodinmica? X X

    13 Os treinamentos so realizados anualmente? X X 14 Faz