RELAÇÕESENTREANÁLISE DO DISCURSO, LINGUÍSTICA DE .como fundamentospara a Análise de Discurso

download RELAÇÕESENTREANÁLISE DO DISCURSO, LINGUÍSTICA DE .como fundamentospara a Análise de Discurso

of 14

  • date post

    08-Oct-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of RELAÇÕESENTREANÁLISE DO DISCURSO, LINGUÍSTICA DE .como fundamentospara a Análise de Discurso

  • RELAESENTREANLISE DO DISCURSO, LINGUSTICA DE

    TEXTOS E GNEROSTEXTUAIS: O CONCEITO DE

    INTERTEXTUALIDADE

    Vicentina Ramires*

    RESUMO:Oestudo dos elementos constitutivos do texto, os operadores da argumentatividade, a

    macroestrutura textual, os fatores de textualidade, as caractersticas dos gnerostextuais constituem-se

    como fundamentospara a Anlise de Discurso (AD) na definio de suascategorias de anlise, tais como o

    estudo dos implcitos, pressupostos, papis discursivos, contexto de produo, regularidades discursivas e

    propsitoscomunicativos. Neste artigo pretendemos apresentar a relaoentre a Anlise de Discursos, a

    Lingustica Textual e os GnerosTextuais, a partir dos estudosdesenvolvidos nessas trsreas. Dentre

    vriosconceitos da Lingustica Textual, destacamos umque se apresenta fortemente inter-relacionado aos

    conceitos da AD e da teoria de gnerostextuais: intertextualidade. Para ilustrar esse conceito foram

    selecionados alguns exemplos de gneros textuais literrios e imagticos, de forma a mostrar como eles

    participam da construo de sentidos do texto, operando de forma significativa, contribuindo para ampliar

    as formas de anlise dos discursos. As anlises demonstraram que os estudos sociointeracionistas da

    linguagem so convergentes em vrios aspectos, e uma perspectiva inter-relacional de estudos de

    compreenso de textos extremamente importante para a construo de sentidos.

    PALAVRAS-CHAVE:Anlise de Discursos; Lingustica Textual; GnerosTextuais.

    ABSTRACT:The study of the constitutive elements of the text, such as textual macrostructure, textuality

    factors, characteristics of textual genres, gives the grounds for Discourse Analysis studies in defining

    their categories of analysis, such as the study of implicits, discursive roles, context, discursive regularities

    and communicative purposes. In this article we intend to present the relationship between Discourse

    Analysis, Textual Linguistics and Textual Genres. From the studies carried out in these three areas,

    among several concepts of Textual Linguistics, one is highlighted in this paper, which is strongly

    interrelated to Discourse Analysis concepts and genre theory: intertextuality. To illustrate this concept

    we selected some examples of literature and imagery genres in order to show how they participate in the

    construction of text meaning, significantly operating and helping to expand the forms of discourse

    analysis. The analyzes showed that sociointeractionists language studies are converging in many respects,

    and an inter-relational perspective of text comprehension studies is extremely important for the

    construction of meaning.

    KEYWORDS: Discourse Analysis; Textual Linguistics; Textual Genres

    1. Consideraes iniciais sobre Anlise de Discursos (AD), Lingustica Textual

    (LT) e Gneros Textuais (GT)

    Talvez no se possa falar em AD e estudos de gneros sem mencionar os rumos

    que tomaram, sobretudo a partir da dcada de 60, os estudos sobre textos de uma

    *Professora Associada do Departamento de Letras e Cincias Humanas da Universidade Federal Rural de

    Pernambuco UFRPE Recife/PE-Brasil. E-mail: vicentinaramires@terra.com.br

    mailto:vicentinaramires@terra.com.br
  • maneira geral. Mudando a perspectiva de anlise dos estudos tradicionais e os critrios

    que definiam a competncia do usurio de uma lngua, a Lingustica Textual surge nesse

    cenrio, enfatizando os processos de construo textual, a capacidade do falante de ler e

    produzir diferentes textos, as caractersticas internas de textos e os fatores de

    textualidade. O grande avano nessa fase se deveu principalmente estreita relao que

    se passou a estabelecer entre o estudo de texto e seus determinantes de produo e

    recepo, objeto central dos estudos da Pragmtica, aos quais dedicaremos uma seo

    especial.

    Numa primeira fase da Lingustica Textual, ressaltou-se a importncia do estudo

    da gramtica do texto, em que se fazia uma descrio completa dos elementos

    constitutivos de que uma dada lngua dispe para a estruturao de textos. Autores

    como Halliday, Weinrich, Ducrot, Isenberg, Dressler, VanDijk1, nesse primeiro

    momento, enfatizaram a macrossintaxe do texto, o estudo de seus elementos

    constitutivos, operadores da argumentatividade, a macroestrutura textual, entre outros

    que compunham ou constituam o que era consensualmente denominado de

    textualidade.

    Diversas manifestaes surgem em favor da importncia da Lingustica Textual.

    Dressler (apud FVERO e KOCH, 1998) afirma que as gramticas da fraseno

    privilegiam vastas partes da morfologia, da fonologia e da lexicologia, o que no

    acontece na Lingustica Textual, que incorpora:

    a) a semntica do texto, responsvel pela anlise e explicao da constituio do significado;

    b) a pragmtica do texto, responsvel por identificar qual a funo do texto no seu funcionamento scio-interativo;

    c) a sintaxe do texto, que verifica como vem organizada a significao de um texto e como pode expressar o que est a sua volta;

    d) a fontica do texto, relacionada sintaxe, que se ocupa das caractersticas e dos sinais fonticos da configurao sinttica textual.

    Num segundo estgio de desenvolvimento da Lingustica Textual (meados de 70

    e incio dos anos 80), o conceito de textualidade passa a ser no apenas uma propriedade

    ou caracterstica de um evento comunicativo2, mas um mltiplo modo de conexes

    ativadas sempre que este ocorre. Um dos grandes representantes dessa fase foi Robert

    de Beaugrande, que, junto a Wolfgang Dressler, publicou a obra considerada um marco

    nesses estudos Introduction to Textlinguistics (1981) em que eram apresentados sete

    fatores da textualidade: dois, relacionados ao material conceitual e lingustico coeso

    e coerncia e cinco, de ordem pragmtica intencionalidade, aceitabilidade,

    situacionalidade, informatividade e intertextualidade3.

    1Essesautores fazem parte do estudo do desenvolvimento da Lingustica Textual, feitoporFvero e Koch

    (1998). 2Ver BEAUGRANDE (1997).

    3Sobre a Lingustica Textual nessa fase especfica, vale a pena consultar os estudos de: Koch (1999);

    Costa Val (1994); Marcuschi (1983).

  • No terceiro momento, d-se maior nfase ao contexto pragmtico, isto , ao

    conjunto de condies externas ao texto da produo, da recepo e da interpretao

    do texto. A incorporao da Pragmtica trouxe posicionamentos diferentes por parte dos

    vrios autores. Para uns, como Dressler (apud FVERO e KOCH, 1998), a pragmtica

    seria um componente acrescentado a um modelo preexistente de gramtica textual,

    restrito situao comunicativa, na qual o texto introduzido. Para outros, como

    Schmidt (apud FVERO e KOCH, 1998), a pragmtica estaria relacionada a um ato de

    comunicao, como forma de interao social. A partir desse ponto de vista, a

    competncia comunicativa passa a ser a base emprica da teoria do texto e no mais a

    competncia textual.

    Oller (apud FVERO e KOCH, 1998) concebe o uso da lngua como um

    processo de decises que se realizam em trs dimenses: a sinttica responsvel pelo

    arranjo temporal dos elementos , a semntica responsvel por contrastar e selecionar

    os elementos a partir de um paradigma e finalmente a pragmtica responsvel por

    relacionar os aspectos sinttico-semnticos e informaes no-verbais, que tm sua

    importncia no poder de determinar a opo a ser feita em cada situao sinttica ou

    semntica.

    Colocadas essas questes, cabem, ento, algumas consideraes que tm

    desafiado muitos linguistas nestes ltimos anos: a) Qual o limite entre a Lingustica

    Textual e a Anlise do Discurso? b) Em que medida esses dois campos se cruzam e se

    afastam? c) Como se inscrevem, nesses estudos, as pesquisas sobre gnero textual?

    Algumas dessas questes so abordadas por Jean-Michel Adam, no seu livro

    Linguistique Textuelle: des genres de discours aux textes (1999), que salienta a

    heterogeneidade e a complexidade do objeto da Lingustica Textual, afirmando que essa

    disciplina deve se definir pela relao que estabelece com a Pragmtica e a Anlise do

    Discurso. Nessa obra, Adam faz uma reviso parcial do primeiro captulo de Les Textes:

    types e prototypes (1992c), expondo as grandes linhas de uma abordagem mais

    abrangente acerca dos nveis de organizao dos textos, salientando que seu objetivo

    definir um quadro terico mais geral, o qual considera a lingustica textual como um

    subconjunto da anlise das prticas discursivas e dos gneros.

    assim que neste artigo pretendemos apresentar a relao entre os estudos da

    Anlise de Discursos, da Lingustica Textual e dos Gneros Textuais, de forma a

    contribuir para a construo da compreenso dos diferentes discursos que circulam na

    sociedade. A partir dos estudos desenvolvidos nessas trs reas, dentre vrios conceitos

    da Lingustica Textual, destacamos um que se apresenta fortemente inter-relacionado

    aos conceitos da AD e da teoria de gneros textuais: intertextualidade.

    2. Gneros textuais e lingustica textual

    Antes de aprofundar o conceito de gneros textuais, distinguindo-os dos tipos

    de texto, Adam (1999) traa um interessante panorama bibliogrfico das teorias do

    texto nas ltimas dcadas, ao qual chama de Babel textuelle4. Entre as teorias citadas

    esto includos os estudos de Barthes (1997, p. 816-817, apud ADAM, 1999, p. 7), para